Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

A propósito do Control(o)

Achar que “num mundo perfeito” os Óscares seriam indicadores inequívocos e universais da qualidade de um filme é talvez utópico e potencialmente perigoso. Simplesmente porque para o “mundo perfeito” de muitos outros, nem haveria Óscares.
Os Óscares da Academia de Hollywood existem. E existem para premiar os filmes que a Academia entende como “bons”. Obviamente, o que é bom para uns não é bom para muitos e é até mesmo muito mau. Em particular, para muitos, o que a Academia acha “bom” é um anúncio que certifica o oposto: se é “bom”, é porque é “mau”.
 
Já investigado cientificamente, o que está em causa é saber se cada espectador adopta um comportamento de “Maria vai com as outras” ou se é “snob”. Embora qualifique aqui intencionalmente ambos os comportamentos pejorativamente, estes podem corresponder a estratégias óptimas para diferentes indivíduos face aos Óscares, não sem variações que podem depender do contexto específico em cada decisão (alternativas existentes, tempo, informação disponível).
 
Por exemplo, para muitos espectadores, o facto de a Academia qualificar um filme como bom, isto é, nomear um filme para e, possivelmente, premiá-lo com um Óscar nas categorias mais importantes, é uma garantia de qualidade que funciona como uma redução do risco de pagar por um bilhete de cinema e não gostar do filme, e, ao mesmo tempo, uma heurística de decisão que permite poupar nos custos de obtenção de informação e nos custos de tempo.
 
Isto acontece quando um indivíduo considera que as suas preferências estão alinhadas com as preferências da Academia, alinhamento este que provavelmente foi construído com base em experiências passadas “bem sucedidas”. Ou seja, não é só publicidade. Mas é claro que a questão se impõe: gostaria de um filme, da mesma forma, isto é, com a mesma intensidade, um indivíduo com preferências alinhadas com a Academia, tivesse o filme sido nomeado/premiado pela Academia ou não? Portanto, um problema de endogeneidade na decisão do indivíduo. E é esta uma questão importante? Sim, porquanto um indivíduo pode influenciar fortemente as decisões de outros indivíduos.
 
Mesmo para indivíduos cujas experiências passadas lhes tenham revelado um desfasamento entre as suas preferências e as preferências da Academia, os Óscares funcionam exactamente da mesma forma, mas com resultados opostos: certificam que é arriscado pagar por um bilhete de cinema para ver um filme que muito provavelmente não se irá gostar e permitem igualmente poupar nos custos de obtenção de informação e de tempo.
 
Agora, se um filme chega a ser nomeado/premiado para os Óscares porque tem sucesso comercial ou se um filme tem sucesso comercial porque foi nomeado/premiado para os Óscares, é uma questão de causalidade que poderia ser facilmente testável com recurso a dados das bilheteiras antes e depois dos Óscares.
 
Nota final: estas considerações são válidas para qualquer tipo de produtos/bens para os quais haja atribuição de prémios.
Principais Tags: , , ,
publicado por Carlos Lourenço às 10:47
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Oscar Carvalho a 21 de Novembro de 2007 às 18:22
Caro Carlos,
Creio que estava implícito, mas reforço: Há toda uma graduação de influência: os muito inflenciados, os nada inflenciados, os negativamente, os indiferentes e por aí fora. Seria curioso fazer um estudo sobre qual a distribuição estatística que se obtinha.

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds