Terça-feira, 20 de Novembro de 2007

Criação LÍQUIDA de emprego

Quando se faz contas de mercearia é na maioria dos casos um perfeito disparate falar na criação e destruição de desemprego separadamente. O facto de terem desaparecido um milhão de empregos não é necessariamente muito grave se forem criados outros tantos. Por isso se fala na criação líquida de emprego, ou seja o total criado menos o total destruído. Depois há casos em que estamos interessados em pormenores da dinâmica do emprego, onde os valores brutos já são importantes.

Há dois dados sobre o emprego que têm dominado os últimos dias. A criação líquida de empregos desde o início da legislatura que foi de 106 mil empregos, e alteração da composição do emprego em Portugal onde houve um decréscimo líquido de 167 mil empregos mais qualificados (ler contudo o primeiro comentário deixado aqui). O primeiro é uma boa notícia de curto-prazo, que contudo não impede que haja mais desemprego (basta haver uma maior oferta de mão-de-obra). A segunda é uma má notícia de longo-prazo, porque só poderemos crescer solidamente com mais emprego qualificado.

Ontem no Fórum TSF o líder da JSD (não registei o nome do rapaz) em nome do PSD mete os pés pela mãos e acaba por fazer uma grande trapalhada. Dizia ele que não serve de nada haver mais 106 mil novos empregos, porque se perdemos 167, o resultado é menos 61 mil, ou seja é mais desemprego. Depois liga a cassete sobre as más opções do governo em termos de criação de emprego.
Primeiro os números não são brutos mas líquidos, logo já indicam o deve e o haver. Há mais 106 mil pessoas a trabalhar, ponto final. Há menos 167 mil empregos de maiores qualificações, ponto final.
Segundo a sua subtracção não faz qualquer sentido. Ao menos a sua soma, 273 mil, tem uma interpretação; indica a criação líquida de empregos de menores qualificações.
Terceiro ataca o governo na única coisa boa em termos de emprego de que o governo se pode orgulhar, isto é a criação líquida de emprego.
Quarto ao deixar de fora a variação do tipo de emprego, deixa de fora o essencial tanto do ponto de vista da qualidade do emprego como da sustentabilidade do nosso crescimento económico.

ADENDA: Hoje, 21 de Novembro, Paulo Portas volta a repetir este disparate. Aos 106 chama empregos criado e aos 167 chama empregos destruidos.
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 15:06
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Carlos Lourenço a 20 de Novembro de 2007 às 17:25
Clarissima a explicacao sobre esta confusao criada 'a volta da noticia no DE (estive para comenta-la, mas imiscui-me de o fazer por razoes pessoais). Uma delicia!

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds