Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

A ânsia das más notícias

O Indicador mensal de expectativas sobre a evolução de curto prazo da economia portuguesa do ISEG -  e aqui a palavra fundamental é expectativas - registou uma descida este mês. Para a LUSA é totalmente indiferente que este índice seja de expectativas para o futuro e não seja um registo do que realmente aconteceu, tal como é irrelevante se o seu valor é alto ou baixo, o que interessa é que desceu. (Quando as expectativas passam de estupendas para apenas excelentes há obviamente uma descida deste índice, mas não deixam de ser excelentes! Tal como subir de calamidade para desgraça é uma subida, mas...)
Na sua habitual ânsia de más notícias, a LUSA afirma então Actividade económica deteriora-se em Janeiro.
Principais Tags: , ,
publicado por Miguel Carvalho às 17:49
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

Mas é que é mesmo sempre...

O FED decidiu baixar a taxa de juro em "meio por cento", insiste o José Rodrigues dos Santos no Telejornal. Agradecíamos todos, eu que me começo a fartar de escrever posts sobre o assunto e vocês que mais fartos estarão de os ler, que alguém mais próximo fizesse o favor de dizer ao homem como é que isto deve ser dito. Senão, passamos a vida nisto...
Principais Tags: ,
publicado por Pedro Bom às 22:06
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

A tendência que começou ontem

Factos (de acordo com a notícia de Clara Viana no Público de anteontem):
Número de contratos de trabalho por conta de outrem totais: cresceu em 2003, 2004, 2005 e 2006
Número de contratos de trabalho por conta de outrem sem termo cresceram em 2003, 2004, 2005 e 2006
Número de contratos de trabalho por conta de outrem a prazo diminuiram em 2003, 2004 e 2005, tendo apenas crescido em 2006

Clara Viana diz contudo
"É uma tendência em alta que o Anuário Estatístico de 2006 (...) veio confirmar: a criação de emprego está a ser feita sobretudo via contratos a prazo...". Uma "tendência" que nos últimos 4 anos aconteceu uma vez.
O "acréscimo de emprego registado em 2006 - a primeira subida em três anos". Esta passou-me totalmente ao lado.


publicado por Miguel Carvalho às 22:54
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Janeiro de 2008

Talvez ninguém leia o interior...

Na capa do DN de hoje: Mais duas mortes ligadas ao fecho de urgências
Lá dentro em título, já mais suave: Dois novos casos de morte envoltos em polémica
No texto: No primeiro caso não foi questionada a prestação de cuidados por parte dos técnicos de emergência, mas a falta de humanidade no tratamento hospitalar.

O que é que afinal ligava a morte aos fecho das urgências? A ânsia cega de sensacionalismo do DN.
Principais Tags: , ,
publicado por Miguel Carvalho às 16:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

Se mete percentagens dá disparate V - post pedagógico

O ministro das Finanças dizia hoje na TSF que queria reduzir o prazo médio de pagamento por parte do Estado aos fornecedores de 150 para 30 a 40 dias num prazo de 3 anos, e para tal seria necessária - segundo ele - uma redução de 15% a 25% por ano.
Ora três reduções consecutivas de 25% (já nem falo dos 15%) ao ano resultaria em:
150*(1-0,25)*(1-0,25)*(1-0,25)=63 dias!!
Provavelmente o que o ministro fez, foi notar que reduzir hoje 25% seria uma redução de 37,5 dias, e reduzir 3 vezes 37,5 dias resultaria numa redução de 112,5 dias, e assim passaríamos dos 150 para algo entre os 30 e os 40. Mas isto não é a mesma coisa que reduzir 3 vezes 25%. No segundo ano se reduzíssemos 25% de 112,5 dias estaríamos apenas a cortar 112,5*0,25=28 e não 37 dias!
A conta que o senhor ministro deveria ter feito é encontrar o x que faz com que isto seja possível:
150*(1-x)*(1-x)*(1-x)=40 dias, ou seja x=1-(40/150)^(1/3) o que dá 36% (onde ^(1/3) significa a raiz cúbica).
publicado por Miguel Carvalho às 10:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

Sempre que o FED altera a taxa de juro...

... vem o José Rodrigues dos Santos dizer disparate. Parece que o FED baixou de urgência a taxa de juro de referência em 0,75 por cento, segundo nos disse hoje o nosso José no Telejornal. Não, José, já é a segunda vez que te digo que, nestes casos, é 0,75 pontos percentuais que tem de ser dito. Ou 75 pontos base, também serve. Mas nunca 0,75 por cento. Se assim fosse, a taxa de juro teria caído de 4,25% para apenas 4,21%, nem sequer teria dado para abrir o Telejornal de forma tão bombástica. Já era tempo de aprenderes.
Principais Tags:
publicado por Pedro Bom às 22:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Portugal o mais rico e o mais pobre da Europa

O Diário Digital escreve hoje "Estudo: Portugueses têm das pensões mais baixas da Europa", referindo-se a um Estudo da AXA. Ora basta abrir a página da AXA para ver que o estudo não tem uma amostra exaustiva nem representativa da Europa. Ou basta ler a frase "Portugal é o país europeu com as pensões mais baixas, a seguir à Hungria e à República Checa" da notícia para concluir que falta ali muita coisa.
Um exemplo: usando como amostra Portugal, Bielorrússia, Estónia, Moldávia, Roménia, Sérvia, Bósnia, Croácia, Bulgária, etc...  o DD iria concluir em grande estilo algo como "Portugal tem pensões três vezes maiores que a média europeia".
Se a amostra for Portugal, Suiça, Suécia, Irlanda, Noruega, Holanda, Luxemburgo, etc... a conclusão teria que ser "Portugal tem pensões a metade da média europeia".
Ora até um miúdo de 10 anos sabe que ambas não podem estar correctas ao mesmo tempo, ou parafraseando o imaginário moço, "os senhores do Diário Digital são uns aldrabões".

Principais Tags: , ,
publicado por Miguel Carvalho às 13:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

A parte pelo todo

O Expresso diz este sábado na capa que os "Profs perderam 12% do salário em 8 anos".  Não me dando ao trabalho de verificar os números, reparo em dois erros na análise.
  • Embora o título e o texto se refira à generalidade dos professores, nas letrinhas pequeninas no gráfico ficamos a saber que só foram verificados os professores em topo de carreira. Ora eu conseguiria facilmente encontrar 1000 portugueses que em 8 anos viram o seu salário duplicar, mas não seria sério concluir daí que os portugueses no seu todo tiveram uma duplicação. Aqui a escolha do escalão mais alto não é inocente. Tem sido política nos últimos anos dar aumentos percentuais maiores aos escalões mais baixos (o próprio texto o refere a propósito do congelamento de salários), logo o topo da carreira tem sido penalizado em relação à média. Não se pode portanto generalizar estes 12%.
  • Os valores em causa são do vencimento bruto. Eu continuo sem saber o que é o "poder de compra", mas salário bruto não é exactamente o que pensamos quando nos referimos a "poder de compra", que imagino estar mais associado ao salário líquido. E a diferença neste caso é importante, porque se houve aumentos de salários abaixo da inflação esperada e os escalões do IRS foram actualizados ao nível da inflação esperada, houve quem tenha saltado de escalão, resultando numa diminuição percentual menor do salário líquido do que do salário bruto - ou maior já que ao longo deste período houve várias mexidas nos escalões, nomeadamente a introdução de um escalão de 42%.
publicado por Miguel Carvalho às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito

Era pô-los de castigo a derivar a função logarítmica até aprenderem

Alguém do Expresso escreveu na última página "Economia piora", e, por baixo, "A situação económica nacional voltou a agravar-se em Dezembro", e ainda, "O indicador coincidente do Banco Portugal está em queda desde Outubro". Só disparates. O que realmente está em queda desde Outubro é a taxa de variação homóloga deste indicador, como consta do Quadro 5 do relatório de Indicadores da Conjuntura do Banco de Portugal. Acontece que esta mesma taxa foi sempre positiva ao longo de 2007, Dezembro incluído, o que significa que o indicador coincidente da conjuntura económica do Banco de Portugal não está a diminuir, simplesmente aumentou menos, em termos homólogos, que no mês anterior. Portanto, Sr(a). Jornalista do Expresso que escreve estes disparates, se me está a ler, isto não significa que a "economia piorou", significa tão só que a actividade económica desacelerou. Será assim tão difícil de entender?

Nota: Um indignado leitor alerta para o facto de o indicador coincidente do Banco de Portugal ser por definição uma taxa de variação homóloga. Definir o indicador como um indíce (nível) ou como uma taxa de variação (como parece ser o caso) é completamente irrelevante. O que é relevante é que os números em questão (chamando-lhes indicador coincidente, ou, como eu, taxa de variação do indicador coincidente) representam variações percentuais homólogas. E, sendo positivos, não permitem concluir que a situação económica é pior (atenção: a questão do desemprego é de enorme importância mas não entra neste debate), por mais descontentes que estejamos com o rumo das coisas. Portanto, com o fraseado devidamente ajustado, a crítica ao artigo do Expresso mantem-se intacta.
Principais Tags: , ,
publicado por Pedro Bom às 00:09
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
Domingo, 20 de Janeiro de 2008

De volta ao Fascismo

Oposição sem poder em 95% das câmaras diz hoje Susete Francisco no DN. Isto porque actualmente existem apenas 16 assembleias municipais onde a oposição tem votos suficientes para aprovar uma moção de rejeição de acordo com a nova lei eleitoral autárquica.
Ora de acordo com o texto a figura da moção de rejeição só agora será introduzida ao nível autárquico. Ou seja seguindo exactamente a mesma lógica, Susete Francisco só poderá concluir que a oposição autárquica esteve sem poder desde 1974 até hoje.
Mais, seguindo a mesma lógica, Susete Francisco só pode concluir que desde 1987 a oposição a nível nacional só teve poder durante quatro anos (o primeiro governo de António Guterres).
Fascistas!
Principais Tags: , ,
publicado por Miguel Carvalho às 12:09
link do post | comentar | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds