Domingo, 30 de Novembro de 2008

E eu também nunca menti na minha vida, exceptuando isto que acabei de escrever...

Numa capa bem ao estilo do Público, lê-se hoje: "Receitas dos casinos caem pela primeira vez nos últimos 20 anos". Mas, no corpo do texto, por pressão da sua própria consciência, a jornalista Sara Felizardo lá confessa: "nunca os casinos nacionais conheceram uma diminuição tão expressiva das suas receitas como a que estão a enfrentar desde o início de Outubro, exceptuando o período compreendido entre 2003 e 2004, onde se registou uma pequena quebra (...)". Ou seja, mais uma vez, uma capa e um título que mentem com a dentição completa.

Principais Tags: ,
publicado por Pedro Bom às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Uma capa à Diário de Notícias

... ou melhor uma capa à Rudolfo Rebêlo. Se o Carlos me permite, tenho algumas coisas a acrescentar sobre a notícia que suporta a capa do DN, sobre a qual ele escreveu este post.

 

 

 

1. Ao estilo conversa de café temos a frase "com dificuldades em poupar e fazer compras, o "estado de alma" dos consumidores está no ponto mais baixo desde 2003". Eu não sei onde se foi buscar esta relação causa-efeito (que não vem do INE), mas é curioso citar, bem a propósito, a seguinte frase do relatório de ontem do INE "as opiniões sobre a poupança no momento actual recuperaram nos últimos três meses".

2. "Para os próximos três meses, a intenção de proceder a novas encomendas nunca esteve tão em baixa como actualmente, apesar da quadra tradicionalmente consumista, com o Natal e o 13.º mês (subsídio) a ajudar à facturação de vendas", diz-nos o Rudolfo. Ora, ele baseia-se na seguinte pergunta feita aos consumidores comerciantes*: "excluindo os movimentos de carácter sazonal, pensa que o volume de encomendas aos fornecedores nos próximos três meses" irá aumentar / manter-se / diminuir?

3. "De quem é a culpa deste clima tão deteriorado? Da procura, respondem os comerciantes no inquérito. Em relação à actividade, os lojistas fazem uma apreciação negativa dos últimos três meses e elegem como principal obstáculo à actividade - leia-se vendas - a anemia do consumo. Os inquéritos aos consumidores confirmam o pessimismo demonstrado pelo comércio."

Traduzindo para português: porque é que o comércio está mal? Porque não se vende. E porque é que não há vendas? Porque não há consumo. La Palice não diria melhor.

4."Em relação à actividade, os lojistas fazem uma apreciação negativa dos últimos três meses e elegem como principal obstáculo à actividade - leia-se vendas - a anemia do consumo. Os inquéritos aos consumidores confirmam o pessimismo demonstrado pelo comércio.  Este cenário de repressão nas despesas das famílias é confirmado por outras fontes. Já o INE, na sua folha de conjuntura de Outubro, tinha referido o pessimismo dos lojistas". Curioso o Rudolfo não se referir ao indicador que mede as despesas das famílias, quando está a falar das despesas das famílias, indo buscar o pessimismo dos lojistas. Talvez seja porque no relatório de semana passada, onde saiu a última estimativa da evolução do consumo das famílias, se possa ler que "ao nível da procura interna, o consumo privado acelerou no 3º trimestre".

5. "...as encomendas aos seus fornecedores (grossistas) - também eles a revelarem pessimismo para os próximos tempos - estão em queda, atingindo o ponto mais baixo de sempre". Cá temos o erro habitual do Rudolfo, confundindo nível com variação - além de confundir expectativas para o futuro (no inquérito) com observações (ponto mais baixo das encomendas no texto). Mais uma vez, o INE pergunta como se pensa que vão variar as encomendas nos próximos meses. A variação prevista é a mais baixa de "sempre" (2003, na realidade...), mas isso não implica de modo nenhum que as encomendas sejam as mais baixas de sempre. Pode esperar-se um aquecimento enorme para amanhã, o que não faz do dia de amanhã o dia mais quente de sempre.

 

*(corrigido após uma chamada de atenção de um leitor)

Principais Tags: , ,
publicado por Miguel Carvalho às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito

Uma coisa tão simples e nem assim

No IOL Portugal Diário, além de se continuar a querer trazer a desgraça a todo o custo, o que é visível no título "Portugal com 5ª maior taxa de desemprego entre Zona Euro", cometem-se dois erros:

 

1. Na abertura da notícia escrevem que "Portugal tem a maior taxa de desemprego [7.8%] entre os países da Zona Euro ", para mais à frente declararem que, afinal, esta é a 5ª maior taxa (como está no título), e não a maior. Será que não se dão sequer ao trabalho de ler o que escrevem? Ou é conveniente errar logo no início da notícia?

 

2. Não só não é verdade que seja a maior taxa de desemprego, como não é verdade que esta tenha "aumentado face aos 7,3% no mês de Setembro". Segundo o Eurostat, a taxa de desemprego de 7.8% tem-se mantido desde há 5 meses!

 

Nota: ao menos, se calhar pelo que foi aqui dito, já não escrevem "com maior desemprego".

 

 

publicado por Carlos Lourenço às 12:54
link do post | comentar | favorito

Queira lá saber, isto nunca esteve tão mau!

O pessimismo desenfreado, a azia desmesurada, e o negativismo descontrolado, tomam conta do DN de hoje, ao afirmar o jornal na sua capa, para o transeunte ler no quiosque enquanto passa na bisga para o emprego esta manhã, que o "Comércio espera pior Natal desde 1989"! Assim, tout court.

 

Pois eu desafio o jornal a provar esta afirmação. É que com base na notícia, a única coisa que se pode afirmar é que o índice de confiança do comércio está aos níveis de 1989. Daqui a concluir que os comerciantes esperam vendas abaixo das de 1989 é um salto quântico sem rede, e por isso é alarmista, sensacionalista, e falso.

 

Porque é que o DN não foi às lojas perguntar se este Natal vai ser prior que o de 1989? Das duas, uma, ou tinha uma surpresa ou lhe diziam que não senhor, este vai ser é o pior Natal de sempre!

 

 

publicado por Carlos Lourenço às 08:27
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

A brincar, a brincar...

Hoje no Público faz-se uma daquelas coisas que sempre me deixou perplexo: dá-se espaço, isto é, faz-se publicidade, a empresas privadas como se de notícia se tratasse.

 

Não, não é imprimir anúncios publicitários, é mesmo disfarçar de notícias publicidade a empresas!

 

Noticiar que "marcas e grandes superfícies já têm previsões de quais serão os brinquedos mais vendidos no Natal" e que "quem mais publicita, leva a melhor", eu até engulo.

 

Mas encher uma página inteira com nomes de brinquedos e das empresas e marcas fabricantes, é, simplesmente, uma vergonha.

 

Alô, Autoridade da Concorrência? Pi, pi, pi, pi...

 

 

 

publicado por Carlos Lourenço às 10:38
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Novembro de 2008

Obama mais ambicioso que Sócrates no emprego

Em mais um artigo irrelevante o DN, através do jornalista Manuel Esteves, propõe que o facto de Sócrates ter anunciado um plano há três anos e meio prevendo a criação de 150 mil empregos (correspondendo a 2,9% da população empregada portuguesa de um ano não especificado) pode ser comparado com o plano recentemente anunciado por Obama de criar 2.5 milhões de empregos nos Estados Unidos até 2011. Ignorando completamente as diferenças conjunturais dos dois planos (e chamando-lhes "promessas"), ainda assim o artigo do DN nota que nem tudo é o mesmo:

 

"Aqui reside uma importante diferença face ao plano de Sócrates, anunciado há três anos e meio. É que o Governo português contava criar 150 mil empregos, essencialmente por via do crescimento económico e pela melhoria das qualificações dos portugueses. Já Barack Obama aposta sobretudo no investimento público, tendo sublinhado que os novos empregos estarão associados à construção de estradas e pontes, à modernização das escolas e à construção de infra-estruturas de energias alternativas."

 

Mas a minha parte preferida é quando o jornalista decide ignorar completamente o que acabou de escrever e termina o artigo como se fosse a despedida duma breve conversa na padaria.

 

"Acontece que, em matéria de emprego, a vontade do Governo conta pouco. José Sócrates que o diga."

 

De facto, a vontade do Governo conta pouco para o crescimento do emprego através do crescimento económico, mas pode contar muito através do investimento público... Adeus vizinha, tenha um bom dia!

 

Infelizmente ela já tinha saído porta fora.

 

Adenda: Claro que mais gente pensou o mesmo. Será que há alguém não pensou mesmo? É favor seguir este link.

Principais Tags: ,
publicado por Gonçalo Pina às 14:52
link do post | comentar | favorito

Ou é carne ou é peixe

Então agora é a garnel? Pega-se em dois líderes políticos diferentes - Obama e Sócrates -, de países que pouco ou nada têm em comum, em períodos distintos, e conclui-se que, na questão da criação de emprego, Obama é menos ambicioso que Sócrates ou que este é mais ambicioso que o outro (as duas variantes encontram-se hoje no DN)? Que sentido faz a comparação?

 

Até compreendo o fervor em torno de Obama como o novo Messias para o mundo, o que não compreendo é que se disfarce uma notícia sobre os objectivos de Obama para o emprego, para, despropositadamente, comparar dois líderes ou criticar um deles. Ou é notícia, ou é artigo de opinião.

 

Se, por exemplo, Obama não abolir a pena de morte em alguns estados, será que vamos ver jornalistas a escrever que Sócrates é leve para com os criminosos?

 

 

Principais Tags: ,
publicado por Carlos Lourenço às 14:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

DN ao Domingo

Hoje no DN toma-se erradamente a parte pelo todo, ao fazer-se capa, título, e notícia com o seguinte:

 

"(...) há 1,33 milhões de pessoas que trabalham ao domingo, o que corresponde a 25% da população empregada - ou seja, um em cada quatro portugueses passa parte do domingo a trabalhar."

 

OU SEJA, um em cada quatro trabalhadores portugueses e não um em cada quatro portugueses. Distracção? 

 

 

Principais Tags: , , ,
publicado por Carlos Lourenço às 13:50
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

A maldição das gordas

Na capa de hoje no DN: "Oliveira e Costa detido por burla agravada, fraude fiscal e branqueamento de capitais".

 

Esta falta de rigor promove uma má cultura popular face às matérias judiciais. Goste-se ou não de banqueiros, e deste em particular, e tenham ou não os banqueiros, e este em particular, especial inclinação para mexer em dinheiro, até pronunciação de uma sentença por um tribunal, uma pessoa detida é-o por recair sobre ela uma suspeita (a menos que haja flagrante delito).

 

À custa de um drama privado e de uma boa história, não deixa mesmo assim de ter piada que desta vez parece ter havido espaço de sobra para espetar na capa uma sequência de três crimes, e palavras tão compridas quanto "branqueamento". "suspeita de" tem de ficar para outra capa.

 

 

Principais Tags: , ,
publicado por Carlos Lourenço às 16:59
link do post | comentar | favorito

O Muro de Berlim acabou de cair ou o Público sempre em cima do acontecimento

Estava eu a ler esta notícia no Público online, supostamente da LUSA (mas não a encontro em mais lado nenhum a não ser no Público), e reparei que os números não me faziam muito sentido.

Entrei na página da DGO, para verificar a fonte da notícia, e de facto o relatório da DGO apresentava números diferentes. Demasiado diferentes para ser verdade.

Não é que o Público se lembrou de publicar uma "notícia", não sobre o último relatório da DGO, mas sobre o penúltimo?!

 

Mais um exemplo do jornalismo de qualidade, rigor e actualidade feito às três pancadas.

 

E só por curiosidade, depois deste disparate é mesmo só por curiosidade, aproveito para acrescentar um pormenor. É que o título está mesmo errado (comparando com o penúltimo relatório). O jornalista confundiu taxa de variação das receitas fiscais com a sua contribuição para a variação das receitas totais...

 

Adenda: Reparo agora que o título não tem um, mas dois disparates. O título diz que as receitas cresceram abaixo do previsto no Orçamento... Só que o Orçamento não compara Agosto de 07 com Agosto de 08, como dá a entender o título! Compara Dezembro com Dezembro, logo há ali oito meses onde estamos a falar da mesma coisa, mas há também oito meses onde estamos a falar de coisas diferentes! Pormenores...

Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 16:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds