Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Torne-se milionário, assine um contrato temporário

"[Contratos de trabalho] temporários ganham mais", diz João Silvestre no título do seu artigo, no suplemento de economia do Expresso do último Sábado. Depois, no subtítulo, coloca algum rigor na coisa e admite que a afirmação do título só se aplica aos jovens. Mas é só algum. Mesmo entre estes, parece que essa diferença é de apenas 1% para os homens e 5% para as mulheres.

Pode argumentar-se que, embora pequenos, são estatisticamente significativos. Pois, com uma amostra daquelas, é muito provável que o sejam. Mas a questão é antes se são economicamente relevantes. E valores de 1 e 5%, e apenas para jovens, não justificam um título daqueles. Sobretudo quando depois nos diz que, para a generalidade das faixas etárias, o salário horário médio pago ao trabalhador com contrato temporário (3.36 euros) é cerca de 23% inferior! Leu bem: não é 1, nem 5, é mesmo 23%. E inferior. Pior, depois desta comparação, que não se refere apenas aos jovens, ainda se atreve a concluir que "Este resultado (...) contraria a ideia de que os trabalhadores temporários são mais mal pagos que nos restantes tipos de contratos". Hã?

Principais Tags: ,
publicado por Pedro Bom às 22:30
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Rui P a 26 de Novembro de 2007 às 23:34
Gosto muito do vosso blog mas esperaria que alguém que se dedica a encontrar disparates nos jornais não os cometa também. Se não quem policia o polícia?
Não costumo ler muito o caderno de Economia do Expresso mas este texto até li porque fui trabalhador temporário durante algum tempo e fiquei curioso. E o comentário que vocês fazem parece enviesar deliberadamente o artigo que foi publicado. O que diz o Expresso é que apesar de, na comparação total da amostra haver uma diferença de 23% nos salários, esta praticamente desaparece (para 1% ou coisa parecida) quando se consideram outras variáveis que permitem comparar os trabalhadores. E esse resultado é, de facto, surpreendente e contrário ao que muitas vezes se pensa.
Não precisam de forçar erros, os jornais estão cheios deles. É só olhar com atenção. Alguns não são superficiais como a pequena gralha ou a incorrecção no número. São mais profundos, mais interessantes e muito mais graves.
Continuem, estão no bom caminho.
Rui P.
De Pedro Bom a 27 de Novembro de 2007 às 14:17
Caro Rui P:

A forma como o senhor resume a notícia é correcta, e consistente com a minha. Em média, trabalhadores com contratos temporários recebem um salários 23% inferior. Isto em termos incondicionais, ou seja, não tendo em conta as características dos trabalhadores. Se tivermos em conta as características individuais, então aquele número pode ser reduzido para 1 a 2%, ou seja, ainda inferior. Vamos por partes:

1. Permite este resultado escrever um título como: "temporários ganham mais"??? Não, não ganham, podem ganhar muito menos ou pouco menos, consoante as características. E em subgrupos muito específicos até podem ganhar um pouco mais, como é referido para jovens, embora estas diferenças sejam mínimas e possivelmente nem estatisticamente significativas.

2. Ignoro os seus conhecimentos de estatística, mas para mim é óbvio que se grupos específicos de trabalhadores com contrato temporários recebem apenas 1 a 2% menos, então outros grupos têm de receber muitíssimo menos, porque em média (ou seja, incondicionalmente) a diferença é de 23%! Portanto, jamais poderemos dizer que "temporários ganham mais"!

3. O senhor acha isto "surpreendente" e "contrário ao que se pensa". Surpreendente? Porquê? É claro que dentro de toda a classe de trabalhadores temporários, há uns que ganham muito menos do que trabalhadores com as mesmas características com contratos não-temporários e outros que ganham pouco menos. E será sempre possível encontrar alguém que ganhe mais. Isto não é uma lei, é apenas uma regularidade estatística. Onde está a admiração? E contrário ao que se pensa? Porquê? O que se pensa, ou pelo menos ou que eu penso, é que em média os temporários ganham menos. E é verdade, 23% menos, em média. Alguns estarão abaixo, outros acima, mas em média é isto. Permite isto escrever que "contraria a ideia de que trabalhadores são mais mal pagos do que nos restantes contratos de trabalho"? Francamente.

4. O facto de escrevermos sobre disparates de outros não implica que não os escrevamos também. Haja quem os encontre e os escreva. É (também) para isso que servem estes comentários.
De Rui P a 28 de Novembro de 2007 às 16:35
Caro Pedro Bom

Sem querer insistir muito na discussão, acho que a ideia do artigo não era distinguir entre todos os salários dos temporários e os outros. É óbvio que os temporários ganham menos. Isso ninguém discute. Até porque desempenham funções pior remuneradas na sociedade. Não há jogadores de futebol de top, juízes, generais ou CEOs de empresas com contratos temporários.

O objectivo era comparar os salários para as mesma funções. Ou seja, saber se um operador de call center ganhar mais como temporário ou não. E o dado que me pareceu interessante aqui, e volto a dizer que trabalhei como temporário algum tempo e por isso o assunto me atraiu, é que para as mesmas funções os contratos temporários poderem ter maiores salários. Isto é verdade, segundo o artigo, nos jovens, não é nos velhos e no total da amostra a diferença é residual (1 ou 2%).

O que me pareceu do seu comentário é que não entendeu o texto ou então tentou forçar um erro para ter algo sobre que escrever. A sua argumentação estatística é verdadeira mas não vai ao ponto que se pretendia abordar, pelo menos da forma que eu interpretei.

Pode-se também discutir-se o título. Sobre isso não me pronuncio. Acho que não vale a pena. Estou habituado a que os jornais e revistas usem títulos apelativos para chamar a atenção. Lembro-me, por exemplo, da capa de um desportivo depois de um jogo Portugal-Turquia que dizia em letras garrafais Banho Turco e não achei que se estivesse a referir ao tratamento de recuperação dos jogadores depois do esforço.

Cumprimentos

De Pedro Bom a 28 de Novembro de 2007 às 23:13
Caro Rui P ,

A discussão vai longa, mas não posso deixar de lhe fazer estes reparos:

1. Seja qual for a ideia principal do artigo, o que se faz no título e no parágrafo que transcrevi é isso mesmo: comparar dois grupos, com e sem contratos de trabalho temporários. E sobre isto são feitas afirmações sem sustentação e conclusões abusivas. Dir-me-á que há por aí disparates maiores. Com certeza, sobretudo em jornais que por essa mesma razão nem sequer leio.

2. O seu segundo parágrafo é claro: não percebeu minimamente a minha explicação estatística. No total da amostra a diferença não são os tais 1 ou 2%, como acabou de escrever! Essa é a diferença para subgrupos com determinadas características. Para o total da amostra a diferença é de 23%! Volto a tentar: para essa diferença ser pequena num determinado subgrupo, ela tem de ser enorme noutro, porque a média tem de ser 23%! Porque razão só se preocupa com os subgrupos em que a diferença é menor? De que existem características para as quais a diferença é mínima, não tenho eu a mínima dúvida. Saber que características são essas é interessante e o artigo refere-as, e bem. Mas têm de existir outras para as quais a diferença é brutal. Portanto, a conclusão de que “os temporários ganham mais ao contrário do que se pensa” não tem sentido. É que, não percebendo isto não percebe que o problema do título não é ser apelativo, é ser, no mínimo, abusivo. Com banhos turcos posso eu bem.
De Rui P a 29 de Novembro de 2007 às 15:42
Caro Pedro Bom

Prometo que é o último comentário que faço sobre este post. Fui até reler o artigo (ainda assim não o tivesse lido mal) e gostava apenas de frisar alguns pontos:

1. Percebi perfeitamente a sua explicação estatística. Só acho que não faz sentido. A diferença em bruto entre os salários dos temporários e dos outros é de 23%. É um facto que ninguém discute. Só que estamos a comparar dois grupos completamente heterogéneos. Como lhe disse no comentário anterior, os CEOs de empresas ou os juízes não têm contratos de trabalho temporário. E os trabalhadores temporários também não podem escolher entre ser operadores de call centers ou pontas-de-lança do Benfica. Por isso, é preciso comparar o comparável. Daí que o relevante para a análise seja a diferença de 1 ou 2% e não os 23% que são apenas um ponto de partida. Foi este o objectivo, presumo eu na minha boa-fé, do trabalho dos economistas em que se baseou o artigo. Caso contrário, não era preciso fazer trabalho nenhum e bastava fazer uma média. Não sou economista, mas imagino que terá sido uma estimativa econométrica a gerar os 1 ou 2% e não uma análise de sub-grupos como sugere, que seria demasiado redutora e bastante enganadora.

2. Quando o artigo sugere que os jovens ganham mais a trabalhar com contratos temporários, não está a dizer alguns jovens. Está a dizer, e estou a acreditar no que lá está escrito, que todos os jovens que trabalham como temporários recebem mais - as mulheres mais 5% e os homens têm um ganho ligeiramente inferior. Se quiser fazer a sua análise por subgrupos, então o subgrupo considerado terá as funções para as quais existem trabalhadores temporários e trabalhadores não temporários.

3. Quanto ao título dou-lhe razão no ponto em que se diz "Temporários ganham mais" e isso é apenas verdade para os jovens e não para todos os temporários. Aí terá havido um abuso de linguagem. Pode ter sido uma forma de chamar a atenção ou então um simples problema de espaço. Isso já não sei. De qualquer forma, e o Pedro reconheceu-o no seu post, a dúvida é desfeita logo na linha seguinte onde se especifica que o título se refere apenas aos jovens.

4. Quando sugeri que lesse alguns jornais com atenção e profundidade não me estava a referir a quaisquer pasquins. Estava a pensar, por exemplo, nos diários de economia – que parece ser uma área que lhe interessa – onde se encontram artigos muito interessantes. Não sou economista, como lhe disse, mas vou acompanhando por razões profissionais e encontro várias pérolas. Mas, lá está, não me estou a referir a gralhas, erros ou títulos sensacionalistas. É um pouco mais além. Recomendo-lhe que veja com atenção o que se escreve, o que não se escreve e onde se escreve. Isso sim é divertido.

Cumprimentos


De Pedro Bom a 29 de Novembro de 2007 às 18:21
Caro Rui,

Entendidos.
Também como último comentário, certamente que uma qualquer técnica econométrica esteve na base daqueles números. Talvez apenas uma simples regressão em que as varáveis explicativas são dummies para determinadas características. Na prática, isto equivale a comparar os subgrupos a que me referia (para simplificar), se estes forem construídos com base nessas mesmas características.

Cumprimentos

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds