Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Torne-se milionário, assine um contrato temporário

"[Contratos de trabalho] temporários ganham mais", diz João Silvestre no título do seu artigo, no suplemento de economia do Expresso do último Sábado. Depois, no subtítulo, coloca algum rigor na coisa e admite que a afirmação do título só se aplica aos jovens. Mas é só algum. Mesmo entre estes, parece que essa diferença é de apenas 1% para os homens e 5% para as mulheres.

Pode argumentar-se que, embora pequenos, são estatisticamente significativos. Pois, com uma amostra daquelas, é muito provável que o sejam. Mas a questão é antes se são economicamente relevantes. E valores de 1 e 5%, e apenas para jovens, não justificam um título daqueles. Sobretudo quando depois nos diz que, para a generalidade das faixas etárias, o salário horário médio pago ao trabalhador com contrato temporário (3.36 euros) é cerca de 23% inferior! Leu bem: não é 1, nem 5, é mesmo 23%. E inferior. Pior, depois desta comparação, que não se refere apenas aos jovens, ainda se atreve a concluir que "Este resultado (...) contraria a ideia de que os trabalhadores temporários são mais mal pagos que nos restantes tipos de contratos". Hã?

Principais Tags: ,
publicado por Pedro Bom às 22:30
link do post | favorito
De Rui P a 26 de Novembro de 2007 às 23:34
Gosto muito do vosso blog mas esperaria que alguém que se dedica a encontrar disparates nos jornais não os cometa também. Se não quem policia o polícia?
Não costumo ler muito o caderno de Economia do Expresso mas este texto até li porque fui trabalhador temporário durante algum tempo e fiquei curioso. E o comentário que vocês fazem parece enviesar deliberadamente o artigo que foi publicado. O que diz o Expresso é que apesar de, na comparação total da amostra haver uma diferença de 23% nos salários, esta praticamente desaparece (para 1% ou coisa parecida) quando se consideram outras variáveis que permitem comparar os trabalhadores. E esse resultado é, de facto, surpreendente e contrário ao que muitas vezes se pensa.
Não precisam de forçar erros, os jornais estão cheios deles. É só olhar com atenção. Alguns não são superficiais como a pequena gralha ou a incorrecção no número. São mais profundos, mais interessantes e muito mais graves.
Continuem, estão no bom caminho.
Rui P.
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds