Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Lusa caminha a passos largos para mais um título nacional de humor jornalístico

Depois da criação do interessante conceito de "mortes negativas" há uns meses pela Lusa, quando noticiou uma diminuição de 300% no número de vítimas mortais em acidentes rodoviários - notícia logo copiada por um rebanho de jornais, esta agência noticiosa desfere mais um forte golpe na concorrência na sua corrida ao prémio de jornalismo humorístico.
Não tendo o texto original, refiro-me à sua republicação (adaptada) no Diário Digital, sob o título "Euromilhões:Estatísticas revelam «chave ideal» e números a evitar". Mas lá está, não sei a quem atribuir o mérito deste absurdo título.
Agora o fundamental do texto é da Lusa, e é uma obra prima da iliteracia matemática e da superstição. Aliás, vou abster-me de comentá-lo porque me falta a arte de comentar tamanha obra.

Se acredita em estatísticas e quer ter mais probabilidades de ganhar sexta-feira os 130 milhões de euros do sorteio de aniversário do Euromilhões, deve escolher os números 01, 03, 12, 15 e 50 e evitar o 46, o único que saiu menos de dez vezes desde 2004.

De acordo com as estatísticas da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e tendo em conta os números que mais vezes foram sorteados desde o primeiro sorteio, em 2004, a «chave ideal» seria composta pelos números 01, 03, 12, 15 e 50.

As estrelas, seguindo o mesmo raciocínio, seriam o 01 e o 06.

Dos cinco números sorteados semanalmente, os que saíram mais vezes foram o número 50 (saiu 29 vezes), o 01 (saiu 28 vezes), o 03 (saiu 27 vezes), o 12 (foi sorteado 25 vezes) e o 15 (sorteado 24 vezes só em 2007).

Já os números «malditos», são o 46 (saiu sete vezes), o 20, 22 e 28 (que sairam 12 vezes cada)

Quanto às estrelas, tendo em conta a mesma estatística, o número 06 saiu 50 vezes e a estrela com o número 01 foi 48 vezes sorteada.

O número 04 foi a estrela que menos vezes saiu (30 vezes).


Para quem não notou, chamo a atenção que este raciocínio é baseado no famosíssimo Teorema de Chebnikov sobre o jogo do Cara ou Coroa: se saiu uma cara, quase quase quase de certezinha que vai sair uma coroa a seguir. (Durante décadas houve uma cisão na comunidade científica entre os apoiantes do "quase quase quase de certezinha" e os do "quase quase de certeza", mas Chebnikov acabou por agregar o consenso em torno da sua formulação).

E ainda há quem insista em fazer o Contra-Informação e o Inimigo Público... Uhnf! Amadores.
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 19:31
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Pedro Bom a 27 de Setembro de 2007 às 22:20
Caro Miguel,

Que bom foi recordar esse grande vulto da teoria estatística, o Prof. Chebnikov, que Deus tenha, que, apesar de ter gasto a fortuna na roleta russa, nos deixou a Teoria Geral da Aposta nos Jogos da Santa Casa.

Não posso, no entanto, deixar de censurar a tua parcialidade científica, ao teres deixado de fora uma terceira corrente, dita post-Chebnikoviana vulgarmente designada como "Mas tão tão certinho que é como se já tivesse sido". Os postulados teóricos desta corrente são controversos, admito-o, mas a investigação empírica tem-nos dado razão.

De qualquer forma, deparo com um problema que não encontra solução em nenhuma destas três escolas e por isso espero que tu, ou alguém da Lusa, me consiga ajudar. Ora aí vai: Tendo lançado 4 vezes um dado e tendo saído o 1, o 6, o 3 e o 4, qual destes sairá agora, o 2 ou o 5?

Imensamente grato,

Pedro Bom
De Pedro Bom a 28 de Setembro de 2007 às 11:14
Caro Miguel,

Em vão esperei pela tua resposta mas eis que alguém chega, porventura dos lados da Lusa, e luz se faz. Diz-nos esse alguém, e cito, que "Chebnikov é um palhaço e não por acaso acabou na miséria, que bem feito foi". Isto porque depois de uma cara só pode sair uma cara e após saída de uma coroa nova coroa sairá. O mesmo se aplicará aos jogos da Santa Casa. Deus lá terá os seus caprichos.

Continua o mesmo alguém dizendo que no problema do dado, que desde ontem se encontra sem resposta, jamais sairá o 2 ou o 5, pois não saíram antes, e que não percebem sequer como terão saído o 6, o 3 e o 4, pois não tinham saído antes do 1, embora se inclinem para a tese de que Deus, embora tendo caprichos, não terá certamente preferências racionais e gosta de tirar "ao calhas" uma vez por outra.

Conclui o dito aconselhando a não militância nas ditas correntes Chebnikovianas, pois só podem levar à ruína, e dizendo, e cito novamente, "lá na Lusa eles sabem o que dizem".

Cumprimentos,

Pedro Bom

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds