Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008

O Público e o comunicado da SEDES

Na primeira página do Público pode ler-se:

 

“Portugal à beira de crise social de contornos difíceis de prever, considera a SEDES”

E em subtítulo:

Associação alerta para falta de confiança nos políticos, e presença asfixiante do Estado na Sociedade”.

 

Pois é.

Só que o Publico omite nos títulos, outro factor que contribui, na opinião da SEDES,  para  “um mal estar difuso”, que “alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional”: A Comunicação Social.

 

Por isso aqui fica a parte do artigo da SEDES naquilo que se refere à Comunicação Social e que se pode ler no interior.

 

“Outro factor de degradação da qualidade da vida política é o resultado da combinação de alguma comunicação social sensacionalista com uma justiça ineficaz. E a sensação de que a justiça também funciona por vezes subordinada a agendas políticas.

Com ou sem intencionalidade, essa combinação alimenta um estado de suspeição generalizada sobre a classe política, sem contudo conduzir a quaisquer condenações relevantes. É o pior dos mundos: sendo fácil e impune lançar suspeitas infundadas, muitas pessoas sérias e competentes afastam-se da política, empobrecendo-a; a banalização da suspeita e a incapacidade de condenar os culpados (e ilibar inocentes) favorece os mal-intencionados, diluídos na confusão. Resulta a desacreditação do sistema político e a adversa e perversa selecção dos seus agentes.

Nalguma comunicação social prolifera um jornalismo de insinuação, onde prima o sensacionalismo. Misturando-se verdades e suspeitas, coisas importantes e minudências, destroem-se impunemente reputações laboriosamente construídas, ao mesmo tempo que, banalizando o mal, se favorecem as pessoas sem escrúpulos".

Tinha sido bonito se o Público tivesse dado um relevo igual aos Politicos e à Comunicação Social na criação do "mal estar".

 

Ao salientar no título, apenas a acção dos "Políticos"  e omitindo a acção da "comunicação social"  está exactamente a agir no campo do sensacionalismo que alimenta o tal "mal estar" denunciado!

 

No Publico não há quem saiba ler?

 

Principais Tags:
publicado por Oscar Carvalho às 13:22
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Leonardo a 22 de Fevereiro de 2008 às 17:14
Pierre Bourdieu certa vez afirmou que os jornalistas têm "óculos especiais, a partir dos quais vêem certas coisas e não outras; e vêem de certa maneira as coisas que vêem, operando uma selecção e uma construção do que é seleccionado".
Aos jornalistas do Público por vezes dá-lhes para usarem óculos com umas lentes bastante graduadas...

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds