Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Parabéns pelo esforço mas as conclusões não tem qualquer base sólida

"Os mais pobres sofrem mais com a inflação." diz a capa do Público de hoje em letras gordas. Ainda na capa "As famílias portuguesas com rendimentos mais baixos são as que mais estão a sentir os efeitos da inflação, conclui um relatório do INE."

Lá dentro temos a bela e elucidativa frase "Cálculos feitos pelo PÚBLICO...".  Aah! Ficamos a saber que o próprio jornalista parece reconhecer que a credibilidade do Público anda pelas ruas da amargura, ao ponto de necessitar de mentir quanto à origem do estudo na capa, para que alguém dê alguma credibilidade ao que escreve. O facto de os dados usados serem baseados num relatório do INE, não dá o direito ao Público de dizer que as conclusões são do INE. Para lá desta mentira, há ainda a questão de saber se o INE teria tantas certezas como o Público parece ter.

Antes de mais um fenómeno paranormal nos resultados do Sérgio Aníbal, que lhe deveria ter saltado à vista. TODAS as classes de rendimento sofreram, segundo ele, inflações iguais ou acima da inflação! Ou seja teremos a média (feita sobre os rendimentos) acima da média. Algo com a média de 10, 9, 8, 7, 6 e 5 ser... 5! O que já mostra que as suas contas estão certamente erradas*.

Apesar de ter que reconhecer que o Sérgio Aníbal se deu ao trabalho de fazer algo que provavelmente poucos fariam, não se pode tirar as conclusões que ele tira. Mais uma vez e bem, ele próprio reconhece isso dizendo "a análise feita pelo PÚBLICO não leva em conta esse nível de desagregação da despesa familiar..."  mas logo a seguir estraga tudo mostrando bem o seu facciosismo, quando diz  "ainda poderia acentuar as disparidades do impacto da inflação sobre os diferentes tipos de famílias". Dou-lhe razão, mas não há razão nenhuma para acreditar que seja para cima ou para baixo. Porque será que não escreveu o oposto, que poderia diminuir e até inverter as disparidades do impacto da inflação? Não dava jeito. Como exemplo posso indicar os legumes que desceram 15%, o que mostra o quão difícil é tirar o tipo de conclusões que o Sérgio quer tirar, com os poucos dados disponíveis que existem.

Outro aspecto que mostra o quão forçadas são as suas conclusões, é o  facto de ele chegar ao valor de 3,1% de inflação para as famílias ricas e 3,6% para as pobres. A diferença é ridiculamente baixa e insignificante dados os problemas de agregação. Mais, esta pequeníssima diferença que foi medida em Março (0.5 pp) pode pura e simplesmente inverter-se em Abril, já que a inflação dentro de cada classe de produtos é altamente volátil (com variações de mais de 1pp de mês para mês em termos anuais).

Por último, e esta crítica estende-se a TODOS os jornalistas, que dizem que os "bens essenciais" têm subido acima da inflação. É preciso ter muito cuidado com o nível de agregação. Primeiro - e como já disse - termos alimentação a subir, pode dever-se aos caviares e às patas negras, logo é complicado chamar "bem essencial" à classe alimentação. Segundo, a este nível grande parte das classes são bens essenciais!! Descontando 5 das 12 classes, temos Alimentação, Vestuário, Habitação, Produtos correntes para a Habitação, Saúde, Transportes, Educação, que julgo serem todos "bens essenciais". Pois bem, três delas estão abaixo da inflação. É sempre fácil pegar na que subiu mais destas sete (estatisticamente haverá uma acima da inflação, em 99,99999% dos casos)  e em tom sensacionalista clamar bem alto que os "bens essenciais" sobem acima da inflação.

*Entretanto percebi de onde vem este erro. O Sérgio mistura cabazes do Inquérito às famílias com os do IPC. Ou seja para calcular quanto é que uma família rica gasta em alimentação usa o primeiro estudo, mas para calcular quanto é que família paga agora a mais pela alimentação usa o segundo estudo. Como os cabazes não coincidem, a média do primeiro não coincide com a do segundo. Mais uma razão, para não dar qualquer credibilidade a isto...
publicado por Miguel Carvalho às 11:16
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Oscar Carvalho a 21 de Abril de 2008 às 17:03
Também a TVI, hoje à hora doalmoço, fazia o mesmo tipo de afirmação, provavelmente tendo por fonte o Publico.
Tentar impôr rigor nesta gente, é uma luta inglória, .
Dizia Santo Agostinho: A recompensa de quem tem fé, é acabar por ver aquilo em que acredita.
Transpondo para os nossos arautos da desgraça: "se diminuirmos a confiança dos agentes económicos, acabaremos por ver a crise que anunciamos"
De Rodrigo a 21 de Abril de 2008 às 18:18
Caro Miguel

Confesso que também fiquei espantado com o artigo do Público. Mas foi por serem necessárias tantas contas para demonstrar uma verdade irrefutável: os pobres sofrem mais com a inflação. :) Sofrem mais com a inflação e sofrem mais com quase tudo. Por isso é que é mau ser pobre. Não é preciso fazer grades estudos.

Deixando a brincadeira e olhando para as críticas gostava só de chamar a atenção para um ponto. A taxa de inflação não resulta da média das inflações por classe de rendimento. É um cabaz de consumo com ponderadores que, de facto, deveria reflectir uma média da população mas que não o faz. Aliás, houve recentemente uma revisão das tabelas de paridade de poderes de compra no Eurostat - que penalizaram Portugal - precisamente relacionada com os cabazes. O que se pode concluir de interessante do trabalho do jornalista, na minha opinião, é a desadequação do cabaz do IPC à realidade nacional. Ou seja, a taxa homóloga apresentada pelo INE para Março foi 3,1% e, a fazer fé nos números do Público, isso corresponde aproximadamente à inflação do segundo decil mais rico.

Concordo, evidentemente, consigo quando diz que isso pode significar taxas maiores ou menores para os mais pobres dependendo de quais os bens em concreto que estão a subir mais. Mas também não me parece que para o nível de vida deles tenha alguma importância a forma como é contabilizada a inflação. Eles pagam os preços que estiverem nos supermercados e nas lojas e não os índices de preços do INE.

Cumprimentos
De Miguel Carvalho a 21 de Abril de 2008 às 22:05
Caro Rodrigo,

> Não é preciso fazer grades estudos.
Bom, o Público queria medir (e bem) a inflação por nível de rendimento. À partida não há absolutamente razão nenhuma para que os pobres tenham inflações maiores. Seria preciso um estudo, e este está longe de ser suficiente.

> É um cabaz de consumo com ponderadores...

Por favor! Eu estou farto de saber o que é o IPC! Como diz, devia ser ponderado pela população toda, logo uma média sobre a população. Haveria uns que teriam um IPC mais elevado e outros com um IPC mais baixos. Mas fazendo a média sobre todos os consumidores (seja de acordo com os rendimentos, com a cor dos olhos, com o código postal), o resultado TEM que ser o IPC.. E aqui não é. Logo está errado.

> deveria reflectir uma média da população mas que não o faz.

Desculpe mas dizer que o IPC não reflecte os consumos da população, só porque nos apetece, não vale nada. Também posso dizer que Moçambique é mais rico que a Suiça. Para contrariar o cabaz do INE (que obviamente não é perfeito) é preciso números para se ser minimamente sério, ou seja é necessário fazer um levantamento estatístico dos padrãos de consumo dos portugueses, e em Portugal só há uma entidade que o faz. O INE.

> O que se pode concluir de interessante do trabalho do jornalista

Eu prefiro chamar-lhe uma brincadeira no excel com pouco rigor.

> na minha opinião, é a desadequação do cabaz do IPC à realidade nacional.

Mostra sim que os cabazes no IPC e os cabazes no inquérito às famílias diferem. Mas tinha obviamente que acontecer - os padrões de consumo não são fixos, nem estas medições são perfeitas. Não estou a ver razão para dizer que o segundo é melhor que o primeiro. Aliás, pelo que percebo da página do INE, o segundo não tem o mesmo nível de desagregação, logo nem poderia ser usado como novo IPC!

> Ou seja, a taxa homóloga apresentada pelo INE para Março foi 3,1% e, a fazer fé nos números do Público, isso corresponde aproximadamente à inflação do segundo decil mais rico.

A brincadeira no excel do Público mistura coisas diferentes, e não se pode retirar conclusão nenhuma dele! Para calcular a inflação dos decil mais rico, usa o cabaz vindo do inquérito às famílias, mas para saber quanto subiu a alimentação não usa esse cabaz (nem podia) mas usa o cabaz do IPC!!! Exactamente por isto é que temos médias diferentes da média!

Cumprimentos

> Mas também não me parece que para o nível de vida deles tenha alguma importância a forma como é contabilizada a inflação. Eles pagam os preços que estiverem nos supermercados e nas lojas e não os índices de preços do INE.

Ahn?
De Rodrigo a 22 de Abril de 2008 às 11:55
Caro Miguel

Só para concluir porque, talvez, com a minha ironia, não tenha sido suficientemente explícito. É claro que concordo 100% consigo quando diz que é necessário um estudo mais rigoroso para analisar esta questão - que é interessante. A minha primeira observação foi apenas uma brincadeira com o facto dos pobres sofrerem mais com a inflação. Isso é assim em todo o lado. Como sofrem mais com as doenças, com as guerras, com a fome e com quase tudo. E sofrem com os preços e não com estimativas para a taxa de inflação que foi o que quis dizer no fim e que não terá percebido. Para um pobre interessará pouco saber que a taxa de inflação está bem ou mal medida.

O facto da média das inflações por classe de rendimento não corresponder à inflação do INE não quer dizer que os cálculos do Público estejam errados. Como disse, e não foi para por em causa os seus conhecimentos sobre o tema, o IPC é calculado a partir de um cabaz e este não é ponderado pelas classes de rendimento que o jornalista usou. Assim, é possível que quase todas tenham uma taxa superior à taxa "média" do INE. Porque o cabaz que pretende ser uma ponderação não o é - e dificilmente poderia ser perfeito. Aliás, estes inquéritos do INE só são calculados de cinco anos em cinco anos.

A média dos valores por decil apresentados pelo Público é de 3,316% e a inflação do INE são 3,1%, o que mostra - fazendo fé nos números do jornal a que o Miguel chama bricandeira no Excel e que eu não vou discutir - o cabaz considerado está mais próximo do consumo típico de uma família das classes de rendimento mais elevadas (segundo os inquéritos aos orçamentos familiares). O significa eventualmente uma subponderação de algumas das classes onde os preços mais subiram. Admito, como diz, que é difícil saber com precisão e que estas estimativas nunca são perfeitas.

Cumprimentos

De Miguel Carvalho a 23 de Abril de 2008 às 09:12
Caro Rodrigo,

eu julgo que estamos próximos em termos de opinião, mas há aqui um ponto que eu acho fundamental que não está a entender.

Os cálculos do Público usam o cabaz do IPC misturado com o cabaz do Inquérito às Famílias. Para saber quanto aumentou os gastos dos ricos em alimentação são necessárias duas coisas: a fracção que os ricos consomem de alimentação, que é retirado do segundo, e o aumento de preço da alimentação, onde se usa o primeiro!
Como os dois nunca coincidem por definição (só coincidiriam se os
ricos, os muito ricos, os pobres, os assim-assim consumissem exactamente o mesmo cabaz mas em proporções diferentes), aqueles cálculos vão estar errados por definição.

Dito de outra maneira, imaginando que o estudo seria feito ao ínfimo detalhe. Então aí teríamos obrigatoriamente que a média (ponderada) da inflação sobre as classes de rendimentos teria que ser igual ao IPC. Agora imaginando que ambos não fazemos um estudo único, mas misturamos um estudo de aumento de preços dum cabaz geral (estudo este perfeito) e outro estudo do cabaz por rendimentos (também perfeito). Aqui teriamos obrigatoriamente que a média sobre os rendimentos não coincidiria com o IPC!

Posso facilmente arranjar um exemplo numérico, se quiser

É a própria metodologia que está "errada", logo não podemos concluir nada daqui, mesmo admitindo que o inquérito ás famílias é perfeito.

E atenção as minhas críticas no post, não passam só por aqui. Outros erros incluem o uso da variação homóloga num só mês . O jornalista poderia facilmente ter usado inflação ao longo de vários anos, ou então a inflação média, mas não o faz por razões óbvias: Usa o mês em que a inflação homóloga foi mais alta nos últimos tempos, e assim consegue empolgar sensacionalisticamente os números, os tais 3,6% (quando o que deveria estar em causa deveria ser o hiato pobres-ricos e não os 3,6%).
Outro erro: dar importância ao hiato 0,5 pp, quando é sabido que aqueles valores estão cheios de erros, que a metodologia não é correcta, e que muitos dos valores que usa têm enormes saltos de mês para mês.

Cumps
De Rodrigo a 23 de Abril de 2008 às 11:50
Caro Miguel

Concordo inteiramente consigo e percebi o seu ponto desde o início. Aliás, sobre a inconsistência dos cabazes e a utilização da inflação homóloga de Março em vez de outras eventualmente mais adequadas estou consigo a 100%.

Também não vou usurpar a sua expressão "brincadeira no Excel" por ter direitos de autor mas ambos sabemos que assim é. Mas não poderia ser de outra forma num jornal. Este tipo de estudos não são feitos por jornalistas em 24 horas. Dir-me-á, e com razão, que talvez então o jornalista devesse ter optado por não o fazer. É verdade.

Em relação aos cabazes, também concordo integralmente consigo quando fala da inconsistência (de base) da análise. Ou seja, os cabazes não coincidem entre o IPC e os inquéritos aos orçamentos e depois usam-se as mesmas variações homólogas nos dois. Sem dúvida. Conceptualmente está errado.

O que eu disse, e mantenho porque me parece interessante, é que pode ser mais um sinal da necessidade de rever o cabaz do IPC por este não ser representativo. Dir-me-á, com razão, que não há cabazes perfeitos. Concordo. Mas há uns melhores que outros. E Portugal sempre teve alguns problemas nesse aspecto relacionados com a habitação por causa do mercado de arrendamento deficiente que temos.

Cumprimentos
De Miguel Carvalho a 28 de Abril de 2008 às 10:31
Caro Rodrigo,

Acho que concordamos no essencial, e adivinhou a minha resposta ao problema de um estudo destes necessitar de muito trabalho. Obviamente não espero que um jornalista o faça detalhadamente, apenas espero que não abuse nas suas conclusões, como aqui foi feito.

Para concluir, e também para quem ficou perdido no meu post, queria apenas resumir as razões pelas quais acho que não se pode tirar conclusões a partir deste artigo do Público sobre a desactualização do IPC (atenção, eu não quero de modo nenhum defender o mérito do IPC!). São basicamente três, e todas válidas independentemente das outras 2.

1. O estudo usa dados do IPC. Logo se o IPC está errado, os valores do Público também estão errados, logo não se podem concluir nada deles.
2. Aqueles 3,3% em vez de 3,1% vêm da própria metodologia. É intrínseco do próprio modo de como o "estudo" foi feito, que resultem valores não compatíveis com o IPC (devido ao uso de valores agregados). Tanto poderia dar para cima, como para baixo. Para sorte do jornalista, neste caso deu para cima.
3. A discrepância pode vir de erros de valores do Inquérito às Famílias, que são menos precisos em termos de cabazes (por serem mais agregados) que o IPC. Por outras palavras, pouco nos garante que o erro esteja de um lado e não está no outro. Ou nos dois!

Cumps

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds