Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

Discrepância entre capa e interior

Público de Sábado

Na capa: "Directora que criticou ASAE foi afastada do cargo"
Título interior "Oposição considera que directora do Norte foi afastada por denunciar excessos", ou seja passou de verdade a "consideração" da oposição.
No texto ficamos a saber que a directora não ganhou o concurso público para o cargo em causa. A Natália Faria deveria saber que "ser afastado" e "perder um concurso público" são coisas muito diferentes.

 

Como sempre não estou a querer defender seja quem for, apenas estranho esta incapacidade de escrever a verdade na capa.

 

Situação semelhante (em termos de rigor jornalístico, eu não faço aqui juízos de valor), ocorreu há um ano quando Hugo Chavez decidiu não renovar a licença de transmissão de uma televisão privada, e os media portugueses nos "informavam" que o canal tinha sido proibido.

Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 09:38
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Nuno a 9 de Junho de 2008 às 11:44
Miguel, é verdade que os jornais exageram e deturpam muitas vezes as informações. Esse caso da ASAE, a julgar pelo que diz porque não li, parece ser um exemplo. Mas cuidado com o exemplo do Chávez. Formalmente, ele não renovou a licença, é um facto. Mas porque é que não o fez?

O Kremlin também se escusa em argumentos formais, como manifestações não autorizadas (que são todas à excepção das suas próprias), para espancar e prender quem lhe apetece.

No caso do Chavez, parece que a interpretação "proibiu" foi generalizada na imprensa internacional. Os jornais devem ser rigorosos na informação que prestam mas também não são seres amorfos que reproduzem sem interpretar aquilo que vêem. Até porque, em geral, os regimes autoritários têm sempre "suporte legal" (ainda que forjado, é certo) para as suas acções.
De GL a 9 de Junho de 2008 às 23:30
Mas parece-me que o referido canal de TV continuou a emitir por cabo. Portanto, não foi proibido. Dias atrás faziam passeatas em Caracas para que fosse permitido voltar a ser um canal aberto.
Ou seja, o termo "proibiu" foi mesmo uma falácia.
De Nuno a 10 de Junho de 2008 às 12:56
Caro GL, é verdade que o canal continuou a emitir por cabo. Só que passou para uma audiência bem menor e, por isso, deixou de ser a ameaça ao Estado e à estabilidade política e de incitar a revolta como Chávez alegou. Se tivesse no cabo o alcance que tinha nunca seria autorizado. Não tenha dúvidas.

Podemos discutir os termos usados para descrever a decisão, mas há coisas que não precisam de adjectivos. Todos as percebem. Não foi por acaso que houve protestos de praticamente toda a gente: parlamentos (do europeu, por exemplo), de jornalistas e associações de jornalistas, de governos, de organizações internacionais e até da Igreja Católica.

Como disse antes, os jornais não se devem limitar a dar notícias puras e duras mas também a enquadrá-las e a interpretá-las. Porque senão passam a ser apenas orgãos amorfos de informação oficial e institucional. Neste caso, a notícia pura e dura é que Chavez não renovou a licença da televisão. Sem dúvida. O enquadramento é que a proibiu porque não gostava daquilo que era emitido. Ambas foram dadas pelos jornais portugueses e a prova disso é que estamos aqui a falar delas.

Convém é não sermos demasiado "puristas" neste sentido para não corrermos o risco de cair na ingenuidade. A forma que defende para a notícia - falar apenas na não renovação - não só é ingénua como, coincidência ou não, é a mesma que Chávez teria escolhido.





De GL a 11 de Junho de 2008 às 10:44
Percebo o seu ponto de vista, mas creio que dar a entender que ele "calou" ou "proibiu", continua a parecer excessivo e não corresponde à verdade.
Um canal a cabo pode continuar a influenciar. Reconheço que a democracia de Chávez é tendenciosa e frágil, mas não pode ser classificada de ditadura, por mais que isso nos custe. Nem de longe simpatizo com Chávez, mas reconheço que o mérito deste malabarismo político lá ele tem.
De Miguel Carvalho a 11 de Junho de 2008 às 16:28
Nuno,
Concordo quando diz que os media devem enquadrar a notícia. Mas para enquadrar basta relata o contexto onde a notícia aconteceu. Qualquer leitor saberá perceber a realidade. Não é necessário compremetê-la, tirando o jornal as suas próprias conclusões e estampando-as na capa.

O caso do Chavéz pode servir como exemplo. Quantas pessoas que ouviram/leram a notícia imaginariam que o canal continuaria a ser transmitido no cabo? Acho que ambos concordamos que 99% está convencido que o canal foi mesmo fechado.

Cumps

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds