Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Vou-vos contar um segredo: o dinheiro não cai do céu!

Hoje reparo no título do Correio da Manhã:

"FACTURA ESCONDIDA NA CONTA DA LUZ:

Cada português paga 35 Euros por ano para subsidiar novas fontes energéticas".

 

E eu espanto-me com este espanto!

O Sr Jornalista acha que quando paga a bica no café está só a pagar o pózinho preto e a água quente? Então desiluda-se! Porque está a pagar também uma parcela da renda, dos salários, dos impostos, da segurança social, do sabonete para as mãos, da electricidade, do pano do pó e do detergente, da pintura da porta e da lâmpada que se fundiu ontem.

Na semana passada, alguém se indignou porque nas facturas da EDP havia uma parcela para uma provisão dos incobráveis. Mas sempre foi assim, em todo o lado! Em qualquer empresa bem gerida, todos os custos directos e indirectos têm que ser reflectidos na facturação que passam aos Clientes. O dinheiro não cai do céu e as empresas não jogam no euromilhões.

Se o sistema de custeio fosse diferente, e apenas reflectisse os custos directamente imputáveis a um produto - neste caso a electricidade produzida  então teríamos que pagar uma parcela do desenvolvimento das turbinas e geradores, das patentes, parte dos estudos feitos por Galvani e Volt e sei lá mais o quê....

Já agora: nós pagamos electricidade, não pagamos "LUZ" ! 

 

Principais Tags: ,
publicado por Oscar Carvalho às 16:25
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Sagitário a 24 de Julho de 2008 às 11:31
"Na semana passada, alguém se indignou porque nas facturas da EDP havia uma parcela para uma provisão dos incobráveis. Mas sempre foi assim, em todo o lado! Em qualquer empresa bem gerida, todos os custos directos e indirectos têm que ser reflectidos na facturação que passam aos Clientes."

Mas se a empresa bem gerida criar provisões para créditos incobráveis, reduz o seu lucro e portanto paga menos impostos. Ao refacturar esse custo, e porque ele estava diluído nas provisões constituídas, obtém uma margem superior ao custo efectivo desses incobráveis. Está num português manhoso, mas julgo que se percebe a minha argumentação :)

Claro que num mercado aberto isto tem o valor que tem, mas quando falamos de uma empresa praticamente monopolista...
De Miguel Carvalho a 24 de Julho de 2008 às 12:30
E de onde vem o dinheiro para criar essas provisões?... dos clientes que pagam.
De Sagitário a 24 de Julho de 2008 às 13:10
Não. A provisão é um movimento contabilístico não reflectido nas disponibilidades. É mesmo por essa razão - expectativa negativa de recebimento - que elas são criadas.
De Victor a 24 de Agosto de 2008 às 11:05
O título deste texto tem um erro grave. Correcto seria Vou contar-vos um segredo: o dinheiro não cai do céu!

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds