Sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

Trocas e baldrocas

GOVERNO VAI FALHAR META DOS 150 MIL EMPREGOS diz Manuel Esteves no DN de hoje. Assim mesmo em maiúsculas, pelo menos na versão online. Quando os últimos números dizem que a criação líquida de emprego foi de 133,7 mil desde o início do legislatura, e ainda falta mais de um ano para o seu fim, este título chama a atenção.

 

1. Ao contrário do que seria de esperar de uma notícia, aquela afirmação não decorre dos números do INE, não é tirado de nenhum estudo ou projecção e não é sequer a opinião de algum especialista consultado. É pura e simplesmente a opinião pessoal do Manuel, que confunde opinar com informar. E repare-se no tempo verbal da afirmação. O título é apresentado como um dado adquirido, nem sequer é uma possibilidade.

 

2. O Manuel diz "o Governo criou, em termos líquidos, 86 mil postos de trabalho". Talvez tenhamos entrado numa economia comunista de planeamento central e eu não tenha reparado, porque o Governo, propriamente dito, só tem destruído emprego em termos líquidos.

 

3. Apesar de o governo ter entrado em funções no primeiro trimestre de 2006, o Manuel  - ao contrário de toda a gente - vai fazer a comparação com o segundo trimestre, daí os tais 86 mil. Ele sente a necessidade de se justificar dizendo (e bem) que se deve comparar os valores de trimestres homólogos. Só que a meta do Governo era o emprego criado desde o início da legislatura. Pode dizer-se que foi manha do Governo (e eu concordo) ao escolher como base de comparação um trimestre com números de emprego baixos, agora não se pode contrariar alhos com bugalhos. Não se pode contrariar um valor, por mais estapafúrdio que seja, com um valor ao lado. Se o objectivo do Benfica era alcançar os 70 pontos não posso dizer que ele não foi alcançado, no caso do Benfica ter 71, apenas porque não foi campeão.

 

4. Voltando à argumentação do Manuel... é impossível encontrá-la. Dedica um parágrafo inteiro a dizer que o novo emprego foi maioritariamente absorvido pelo aumento da população activa. E então? Não contraria em nada a meta, nem lhe dá direito à conclusão do título.

 

5. O Manuel levanta depois a questão da criação líquida vs bruta. Ora a criação bruta de emprego só tem importância para os estudiosos. Colocar o objectivo dos 150 mil empregos em termos brutos só ajudaria o Governo, porque já foi obviamente alcançado. Bastaria pensar que a criação líquida foi de 133,7, e que certamente já houve mais de 16,3 mil pessoas a perder o emprego em 3 anos e meio. Mais uma vez, nada tem a ver com a afirmação do título, nem percebo porque é que esta questão lateral é levantada. O Governo sempre foi claro, referia-se ao objectivo mais difícil, a criação líquida de emprego... as próprias declarações de ontem referiam-se a criação líquida. O Manuel cita algumas frases de ministros para mostrar que o Governo tinha a criação líquida em mente, mas só ele é que deve ter tido essa dúvida. Aliás, como disse, se tivesse sido em termos brutos, o objectivo já teria sido alcançado, e por ser em termos brutos, o "êxito" seria irrevogável e nem haveria discussão possível.

 

6. À frente começamos a perceber que o Manuel não faz a mínima ideia da distinção entre os dois termos, quando começa a falar de desemprego. Criação líquida de emprego é o número de empregos criados menos os destruídos. Se a população activa estivesse fixa, então haveria uma relação directa com os números de desemprego, mas como o próprio Manuel diz antes, houve um grande aumento da população activa. Logo seria perfeitamente possível que houvesse criação líquida de emprego e que o desemprego aumentasse. Aqui fica a confusão dos termos bem explícita no texto: "Quando o Governo assumiu funções, havia 412,6 mil desempregados (e 399,3 mil no segundo trimestre de 2005), pelo que a promessa de José Sócrates correspondia a reduzir o universo de pessoas sem emprego a 263 mil". Ele ainda tenta meter as palavras na boca de outrem "Foi a pensar nisso [a redução para 263 mil] que o Partido Socialista avançou na altura com aquela meta.", mas mais uma vez acho que só ele é que teve essa dúvida.

 

7. Relacionado com os dois pontos acima temos ainda este excerto "a população activa aumentou em 131 mil, enquanto o emprego cresceu um pouco mais, 133,7 mil. O diferencial são 2,7 mil novos postos de trabalho - uma gota no oceano de 150 mil novos empregos prometidos pelo Governo". Pois de facto 2,7 mil feijões são poucos comparados com 150 mil grãos de areia. Mas feijão é feijão, e areia é areia. A fazer fé nas contas do Manuel, os 2,7 mil são os números da redução do desemprego e não dos novos postos de trabalho, como ele escreve.

 

8. Depois de vários tiros ao lado, o Manuel conclui "tendo em conta as estimativas nacionais e internacionais relativas ao desemprego, não é crível que o Governo venha a concretizar esta promessa". Ora e assim se fabricou mais afirmação bombástica, que tem direito a aparecer na capa. No texto, a frase anterior é completada com a enigmática "Não porque não queira, mas porque não pode"...

 

9. Por último, 133,7 arredonda-se para 134 e não para 133, como o Manuel faz... e percebe-se porque o faz.


Uma dúvida: o Manuel se estiver a ler isto, que me explique esta frase "ao contrário do que seria desejável, este novo emprego alimenta-se exclusivamente do alargamento da população activa", que é mais um exemplo da confusão entre uma crónica e uma notícia. Se a população activa aumenta, o que seria então desejável? É que pondo as coisas nestes termos a coisa acontece assim por definição. Se há mais X empregos e mais ou menos X novos trabalhadores, isto acontece por definição.

Principais Tags: , , ,
publicado por Miguel Carvalho às 16:21
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Cavaco Silva a 19 de Agosto de 2008 às 23:17
Excelente post. É incomparavelmente mais útil desmontar artigos desta casta do que estar a assinalar incongruências nos títulos, que estão sujeitos a fortes constrangimentos de espaço e por vezes nem sequer são feitos pelo redactor da notícia. Há uns tempos critiquei o Miguel, agora elogio-o. Assim vale a pena.
De Miguel Carvalho a 21 de Agosto de 2008 às 01:17
Obrigado.

Queria só notar que eu não critico títulos por serem simplistas, mas por induzirem em erro. Muitas vezes, no mesmo espaço, seria possível dar uma informação bem mais correcta. Em outros casos a crítica passa apenas pelo tempo verbal, escrever "economia cresceu" ou "economia terá crescido" tem significados muito diferentes... e pode fazer a diferença.

Cumps
De Alberto Dias a 28 de Agosto de 2008 às 15:05
Não vejo razão para que não se critiquem títulos por serem simplistas ou, ainda menos, por não serem do autor do artigo.
Afinal o que se critica não é um jornalista mas sim um jornal.
E Deus sabe como há razões para isso, em matérias de títulos...

Comentar post

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds