Sábado, 20 de Outubro de 2007

Listas de espera para consultas psiquiátricas

"Listas de espera em Portugal são 10 vezes maiores que em Espanha" diz em letras garrafais a capa do Público de hoje.

1. Usando os números apresentados na capa (e a estranha medida de tamanho das listas) as listas em Portugal são na realidade 8,24 vezes maiores, mas 10 fica melhor. Vinte ficaria melhor ainda.
2. Tal como diz a notícia os números não são de Espanha mas apenas da região de Madrid (que não é certamente igual ao resto da Espanha)! Isto escolhendo cuidadosamente os distritos a comparar poderíamos talvez chegar à conclusão que as listas em Portugal são mil vezes maiores ou até mil vezes menores.
3. A medida do tamanho da lista que o Público inventou é engraçada. Compara o número de pessoas, em cada mil, que esperam por uma cirurgia. Ora não faz sentido fazer rácios de percentagens (ou permilagens como aqui). Dizer que a área de Espanha é cinco vezes maior que a de Portugal faz sentido, agora o quíntuplo de uma percentagem pode nem sequer existir! Por exemplo se em Espanha 12% das pessoas esperasse por uma cirurgia, seria impossível Portugal ter uma percentagem 10 vezes maior (120% não existe).
4. Não é claro no artigo como foi calculado o número de pessoas à espera. Pegar no número de atrasos e dividir pela população seria um enorme erro porque há muita gente que está inscrita para a mesma cirurgia em vários hospitais ao mesmo tempo. Assim uma pessoa contaria por 3 ou 4.
5. Contar um número por cada mil não é uma percentagem (como diz o texto) mas uma permilagem.
6. É dito ainda que o tempo de espera é 100 vezes maior em Portugal. Isto faz sentido quando se compara as médias (ou talvez as medianas) mas o Público faz algo disparatado. Compara as percentagens de pacientes que espera há mais de 6 meses.
6.1. Mais uma vez o absurdo rácio entre percentagens.
6.2. Embora difícil, poderia acontecer até que a média de espera fosse menor em Portugal!
6.3. Comparar casos extremos não faz sentido. Imagine-se que em vez de 6 meses usaríamos 3 anos, e que nenhum paciente em Espanha esperasse mais de 3 anos. A brilhante conclusão que o Público tiraria seria que o tempo de espera em Portugal é infinitamente maior do que em Espanha.

Moral da história: usando esta falta de rigor na análise dos dados, poderiamos chegar ao resultado que nos apetecesse.
publicado por Miguel Carvalho às 22:18
link do post | comentar | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds