Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2016

Os conhecimentos mais básicos sobre finanças fogem do Correio da Manhã

Screenshot from 2015-11-10 11:33:42.png

Houve uma desvalorização na bolsa, ou seja os preços a que eram trocado os títulos em bolsa foi menor ontem do que anteontem. Isto nada tem a ver com a entra ou saída de capitais na bolsa. Aliás é bem possível que haja entrada de capitais na bolsa e haja uma desvalorização ao mesmo tempo.


Explicando de modo a que entendam no Correio da Manhã:

No dia 1, as acções da empresa  A valiam 5€, e as da B valiam 10€. O Joãozinho que tem acções da A, e o Pedrinho que tem acções da B, decidiram trocar uma pelas outras, pelo valor de 5€ as primeiras e 9€ pelas segundas. Não saiu um único euro da bolsa, mas houve uma desvalorização na bolsa.

Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 14:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 31 de Julho de 2009

P implica Q não é a mesma coisa que não-P implica não-Q

Duas mulheres tentaram casar-se e isto foi-lhes negado. Depois de vários processos em tribunal, foi pedido que o Tribunal Constitucional declarasse a inconstitucionalidade da definição de casamento no código civil (que exige sexos diferentes). Este pedido em concreto foi rejeitado. Por outras palavras o TC disse que a exclusividade heterossexual do casamento é constitucional.

Todos os Lisboetas são Portugueses, mas isso não implica que quem não seja Lisboeta não possa ser Português! Os Portuenses também o são. E os habitantes de Olivença? Não sabemos, porque ninguém perguntou isso ao TC.

Ou seja, o casamento homossexual também pode ser constitucional. Nunca foi isso que esteve em causa.

 

O CM diz TC chumba casamento gay, o Público diz Tribunal Constitucional diz não ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, o Diário Económico diz Tribunal Constitucional chumba casamento entre homossexuais, etc. Tudo disparates.

 

publicado por Miguel Carvalho às 15:16
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

Um défice não é uma perda

Correio da Manhã de hoje, capa, letras gordas: "Portugal perde 49 milhões por dia", referindo-se ao défice externo que alegadamente bate recordes. Não contesto nem o número, nem o recorde (o que seria normal mesmo na ausência de um problema sério de défice externo, dado que se trata de valores nominais), nem menosprezo o problema do défice/dívida externa. Apenas objecto a escolha do verbo "perder", e faço-o porque induz em erro o leitor comum.

 

Ao ter um défice externo, Portugal está a gastar acima do seu rendimento e, portanto, a endividar-se perante o exterior. Está, por assim dizer, a obter um empréstimo do resto do mundo. Agora, porque é que este empréstimo significa uma "perda"? Aliás, se empréstimo implicasse automaticamente uma perda, porque razão é que as pessoas pediam empréstimos de livre vontade? Quando peço um empréstimo ao banco para compra de casa, estou a "perder" a casa (ou o seu valor)? Quanto muito, ganhei-a, com dinheiro emprestado. Claro que existe uma perda associada (ganho do banco): o juro que pagarei sobre o empréstimo. Mas, se eu pedir um empréstimo ao banco para financiar uma actividade produtiva (uma padaria, por exemplo) que me garanta um retorno, então o proveito possibilitado pelo empréstimo até pode ser superior ao custo do empréstimo (os juros). Portanto, empréstimo não é, por si só, perda nenhuma.

publicado por Pedro Bom às 14:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

Ao comprar pastéis de camarão está a aumentar os impostos

"Governo promete aumento de impostos" diz o Correio da Manhã em letras gigantes.  A "conclusão" é baseada nas estimativas do peso da carga fiscal -que constam do PEC - que têm variações na ordem dos 0,1 e 0,2 pontos percentuais.

 

Primeiro de tudo é ridículo dar qualquer importância a variações deste tamanho, especialmente neste caso em que se trata de previsões. Segundo a notícia, a variação de 2007 para 2009 será de -1.5pp, o que mostra o quão insignificantes são aqueles valores.

 

Segundo, o CM "confunde" na capa - mas já não o faz no corpo do texto - carga fiscal com o nível dos impostos. Se eu este ano decidir comprar pastéis de camarão em vez de pastéis de vegetais, estou a pagar mais IVA (os primeiros têm um IVA maior), ou seja estou a aumentar a minha "carga fiscal". O que é que o Correio da Manhã vê ali? Uma alteração do consumo? Não, um aumento dos impostos!

Outro exemplo, se houver menos gente a fugir aos impostos, o CM não  vê nisso uma redução da fuga ao fisco, mas um aumento de impostos!

 

Por último, um apontamento tragicómico. As receitas fiscais dos impostos directos (em percentagem do PIB) vão ter - segundo o texto - o seguinte comportamento: 9,8%, 9,6% e 9,7%. Há ali primeiro uma redução e depois um aumento, metade da redução (ambos totalmente insiginificantes como já disse). O que é que o parágrafo introdutório diz? "[O PEC...] deixa claro que os impostos directos e indirectos vão aumentar nos próximos dois anos." Não interessa o comportamento geral, interessa é que lá pelo meio haja uma subida.

publicado por Miguel Carvalho às 11:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Eu tenho uma melhor: "Banca lucra 38 euros por segundo"

Se as capas dos jornais dão pano para mangas, as do Correio da Manhã dão para muito mais. Hoje, "Banca lucra 3,3 milhões por dia".

 

Pois, eu tenho uma capa ainda melhor: "Banca lucra 38 euros por segundo"...

 

Isto é, não estou a dizer se a banca lucra muito ou pouco, e muito menos se isso é bom ou é mau. Só estou a dizer que não é necessariamente verdade que a banca lucre todos os dias 3,3 milhões de euros como faz crer a capa. O que o CM faz é simplesmente dividir os lucros anuais (já agora, de todos os bancos) pelo número de dias do ano.

 

 

publicado por Carlos Lourenço às 17:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

De mãos dadas...

Em letras garrafais na primeira página do Correio da Manhã de hoje - "Mais crimes e menos presos" -, assim como no resumo online, sugere-se pela n-ésima vez uma causalidade que, muito provavelmente, é inexistente: "ao longo dos últimos 12 meses a diminuição da população prisional foi muito superior: menos 2038 presos, a maior queda de sempre acompanhada por uma onda de criminalidade sem precedentes".

 

Lá porque dois fenómenos são contemporâneos, não quer dizer que um cause o outro. Mas já estou mesmo a ver os comentários: "então, eles deixam-nos sair em vez de os meterem lá dentro". Enquanto isso o Correio da Manhã vende.

publicado por Carlos Lourenço às 17:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

Um título à Correio da Manhã

No Correio da Manhã (CM) de hoje há um artigo enorme com um título que salta à vista até aos mais distraídos: "Padre expulsa mulher de igreja no Chiado". Os factos, segundo o próprio texto do CM, são, no entanto, outros: uma senhora entra numa igreja do Chiado, onde se celebrava uma missa, dirige-se a um corredor lateral, acende uma vela, e é, logo de seguida, interpelada por um segurança que a manda apagar. O padre terá então interrompido a sessão para pedir à senhora para apagar a vela e sair da igreja, ao que a senhora terá respondido "Não saio, já apaguei as velas como me foi pedido". E pronto, a missa continuou e a senhora assistiu até ao final.

Resta saber o que o CM entende por "expulsar". Com receio da minha própria ignorância, até fui à Priberam esclarecer o seu significado. Cinco hipóteses: (1) Expelir com força. Ora, a senhora nem sequer foi expelida, quanto mais com força. (2) Fazer sair por castigo. O padre até pode ver ali fundamento para castigo, mas sair, não saiu. (3) Escorraçar. Não me parece, desejada ou não, a senhora lá ficou. (4) Repelir. Idem. (5) Excluir com violência, eliminar. Violência verbal até pode ter havido, mas não exclusão nem eliminação.

Enfim.

Principais Tags:
publicado por Pedro Bom às 16:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Vou-vos contar um segredo: o dinheiro não cai do céu!

Hoje reparo no título do Correio da Manhã:

"FACTURA ESCONDIDA NA CONTA DA LUZ:

Cada português paga 35 Euros por ano para subsidiar novas fontes energéticas".

 

E eu espanto-me com este espanto!

O Sr Jornalista acha que quando paga a bica no café está só a pagar o pózinho preto e a água quente? Então desiluda-se! Porque está a pagar também uma parcela da renda, dos salários, dos impostos, da segurança social, do sabonete para as mãos, da electricidade, do pano do pó e do detergente, da pintura da porta e da lâmpada que se fundiu ontem.

Na semana passada, alguém se indignou porque nas facturas da EDP havia uma parcela para uma provisão dos incobráveis. Mas sempre foi assim, em todo o lado! Em qualquer empresa bem gerida, todos os custos directos e indirectos têm que ser reflectidos na facturação que passam aos Clientes. O dinheiro não cai do céu e as empresas não jogam no euromilhões.

Se o sistema de custeio fosse diferente, e apenas reflectisse os custos directamente imputáveis a um produto - neste caso a electricidade produzida  então teríamos que pagar uma parcela do desenvolvimento das turbinas e geradores, das patentes, parte dos estudos feitos por Galvani e Volt e sei lá mais o quê....

Já agora: nós pagamos electricidade, não pagamos "LUZ" ! 

 

Principais Tags: ,
publicado por Oscar Carvalho às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

5% é p'ra meninos

Ainda não li o estudo do Banco de Portugal onde se estimam as perdas de reforma dos funcionários públicos devido à alteração do Estatuto de Aposentação, mas o Manuel Esteves deixa aqui bem claro que podem ir de 5 a 18%, dependendo de alguns factores. Mas o Correio da Manhã, esse, não está com meias-medidas. Em manchete, no devido formato garrafal, lê-se: "Função Pública perde 18% da reforma". Mais nada.

publicado por Pedro Bom às 12:03
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

Consumo do pão cai milhões porcento

Consumo de pão baixa 20%, diz em letras gigantes a capa do Correio da Manhã. Qual será a fonte?

O INE? Não.

O Eurostat? Também não.

Um estudo de mercado? Menos ainda.

Umas das partes interessadas no negócio? Ah, pois claro. A saber a Associação do Comércio e Indústria da Panificação, que já nos tem habituado a vários disparates económicos nos últimos tempos. Mas para o Correio da Manhã isso pouco importa, quando o que está em causa é criar factos escandalosos para colocar na capa.

Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 10:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

Os conhecimentos mais bás...

P implica Q não é a mesma...

Um défice não é uma perda

Ao comprar pastéis de cam...

Eu tenho uma melhor: "Ban...

De mãos dadas...

Um título à Correio da Ma...

Vou-vos contar um segredo...

5% é p'ra meninos

Consumo do pão cai milhõe...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds