Terça-feira, 23 de Outubro de 2007

Assalariados pobres

A propósito das últimas estatísticas sobre a pobreza, tem-se dado a entender que os assalariados com salários mais baixos são cada vez mais pobres, como é feito aqui. Até se tem usado a expressão de "novos pobres", como se de uma nova classe social se tratasse.
É preciso dizer que a definição de pobreza não é um conceito estático. O limiar de pobreza está ligado à mediana da distribuição de rendimentos. Logo a mesma capacidade de compra (ou rendimento real) em 1997 poderia estar acima do limiar mas estar agora abaixo, porque o rendimento mediano (e o médio também) subiu nestes últimos 10 anos.
Só deste ponto de vista é que pode ser dito que há "novos pobres", ou seja em rendimento real relativo em relação ao resto da população, e não em termos de poder de compra.
Não há portanto aqui dados que indiquem que os assalariados tenham mais dificuldades hoje do que há uns anos. Por exemplo o salário mínimo nacional não tem perdido poder de compra.

(Mais uma vez sublinho, este não é um blogue de opinião, e eu não estou a defender que o cenário é cor-de-rosa nem a dizer que a situação é justa).
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 20:08
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Uns barulhos no telefone

O país entrou em estado de choque desde que o Procurador-geral da República veio dizer que suspeitava estar sob escuta. Isto porque ouvia uns barulhos esquisitos.
Eu não sou especialista, e por favor corrijam-me se estiver enganado, mas dado os telemóveis serem um sistema totalmente digital, parece-me que não faz sentido nenhum haver "barulhinhos" quando um telemóvel está sobre escuta. Nos antigos telefones analógicos colocava-se um fio para puxar o sinal e daí o barulho, agora nos telemóveis não se colocam fios. (Nenhum jornalista se lembrou de pôr isto em causa. Bom, isso já seria pedir demais.)

Nota: bem sei que o essencial do escândalo passa pela ignorância do PGR no que toca a algo que deveria estar sob o controlo dele, mas parece-me que se trata de um caso de mania da perseguição.

Principais Tags:
publicado por Miguel Carvalho às 21:39
link | comentar | favorito

Tendência para exagerar

No caderno de Economia do Expresso do último Sábado, e sob o título “Eles falham muito”, escrevem João Silvestre e Ana Sofia Santos o subtítulo “As projecções do Governo pecam por excesso de optimismo”. A certa altura é-nos dito que “no crescimento do produto interno bruto (PIB) há uma tendência para exagerar”. E passam a explicar: “na última década, apenas por quatro vezes as projecções do Governo inscritas no Orçamento foram ultrapassadas”. Ora, considerar 6 projecções erradas por excesso, num total de 10 possíveis, uma “tendência para exagerar” é já bastante abusivo.

Mas, se examinarmos a tabela onde nos convidam a “descobrir as diferenças” imediatamente descobrimos que duas daquelas seis projecções (para 1999 e 2004) se encontram na forma de intervalo de confiança, que em ambos os casos incluem o valor que realmente se veio a verificar. Bem, eu chamo a isto uma estimativa acertada.

Façamos então as contas. Em 10 projecções, 4 erraram por defeito, 4 erraram por excesso e duas acertaram. Mais, nos dois intervalos de confiança acertados o valor real veio a situar-se mais próximo do limite superior do que do inferior; ou seja, estivesse este intervalo na forma de estimativa pontual e o erro seria também por defeito, o que viraria o marcador para 6-4 a favor do excesso de pessimismo. Hum, cheira-me que nos jornalistas do Expresso existe uma certa... ai, como é que se diz?... isso, tendência para exagerar.

 

Principais Tags: , ,
publicado por Pedro Bom às 18:06
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sábado, 20 de Outubro de 2007

Listas de espera para consultas psiquiátricas

"Listas de espera em Portugal são 10 vezes maiores que em Espanha" diz em letras garrafais a capa do Público de hoje.

1. Usando os números apresentados na capa (e a estranha medida de tamanho das listas) as listas em Portugal são na realidade 8,24 vezes maiores, mas 10 fica melhor. Vinte ficaria melhor ainda.
2. Tal como diz a notícia os números não são de Espanha mas apenas da região de Madrid (que não é certamente igual ao resto da Espanha)! Isto escolhendo cuidadosamente os distritos a comparar poderíamos talvez chegar à conclusão que as listas em Portugal são mil vezes maiores ou até mil vezes menores.
3. A medida do tamanho da lista que o Público inventou é engraçada. Compara o número de pessoas, em cada mil, que esperam por uma cirurgia. Ora não faz sentido fazer rácios de percentagens (ou permilagens como aqui). Dizer que a área de Espanha é cinco vezes maior que a de Portugal faz sentido, agora o quíntuplo de uma percentagem pode nem sequer existir! Por exemplo se em Espanha 12% das pessoas esperasse por uma cirurgia, seria impossível Portugal ter uma percentagem 10 vezes maior (120% não existe).
4. Não é claro no artigo como foi calculado o número de pessoas à espera. Pegar no número de atrasos e dividir pela população seria um enorme erro porque há muita gente que está inscrita para a mesma cirurgia em vários hospitais ao mesmo tempo. Assim uma pessoa contaria por 3 ou 4.
5. Contar um número por cada mil não é uma percentagem (como diz o texto) mas uma permilagem.
6. É dito ainda que o tempo de espera é 100 vezes maior em Portugal. Isto faz sentido quando se compara as médias (ou talvez as medianas) mas o Público faz algo disparatado. Compara as percentagens de pacientes que espera há mais de 6 meses.
6.1. Mais uma vez o absurdo rácio entre percentagens.
6.2. Embora difícil, poderia acontecer até que a média de espera fosse menor em Portugal!
6.3. Comparar casos extremos não faz sentido. Imagine-se que em vez de 6 meses usaríamos 3 anos, e que nenhum paciente em Espanha esperasse mais de 3 anos. A brilhante conclusão que o Público tiraria seria que o tempo de espera em Portugal é infinitamente maior do que em Espanha.

Moral da história: usando esta falta de rigor na análise dos dados, poderiamos chegar ao resultado que nos apetecesse.
publicado por Miguel Carvalho às 22:18
link | comentar | favorito

Sindicatos

Não sei se o leitor já realizou a massiva quantidade de evidências de que o português está a ser comido pelo inglês.
Traduzindo: Não sei se o leitor já se apercebeu da enorme quantidade de indícios de que o português está a ser comido pelo inglês.
Um dos meus favoritos é o "sindicato", porque torna algumas frases hilariantes. Syndicate em inglês não é sindicato em português (tal como realize não é realizar, etc...). Syndicate é uma palavra de difícil tradução, mas no mundo financeiro (onde é mais comum ouvir o termo) bank syndicate designa o conjunto de instituições financeiras que financia um dado investimento a crédito, não tendo por isso absolutamente nada a ver com a organização dos trabalhadores da banca.
Quanto às frases hilariantes, cá ficam algumas do Público Economia de ontem, autoria de João Manuel Rocha:
"... a empresa foi aconselhada (...) a fazer uma operação pública de venda (...). Era preciso arranjar um sindicato bancário que tomasse firme a operação".
"... todos os accionistas maioritários das empresas queriam fazer a sua OPV e faziam-no, desde que arranjassem um sindicato bancário que lhe garantisse a operação".
Estes "jornalistas" não realizam os erros que escrevem?
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 21:52
link | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Outubro de 2007

Saída de emergência para deficientes

Grande parte da reportagem de hoje na SIC sobre o anúncio da data de reabertura do túnel do Rossio, era dedicada a algo que à primeira vista parece uma barbaridade: o túnel renovado terá uma saída de emergência a meio mas esta não está preparada para deficientes motores.
Além dos comentários ao estilo "só neste país", há ainda uma emocionante cena em que o jornalista coloca o presidente (?) da REFER entre a espada e a parede ao perguntar, bem ao estilo do jornalista-herói que desmascara o malfeitor , o porquê desta discriminação. O pobre homem balbucia um pouco e não sabe responder. Há ainda alguém que comenta que os elevadores não podem ser utilizados em caso  de emergência, mas o jornalista insiste e o pobre homem não tem resposta.
Uma pergunta inocente: alguém alguma vez viu em algum país saídas de emergência preparadas para deficientes?
publicado por Miguel Carvalho às 23:03
link | comentar | ver comentários (3) | favorito

A Electricidade não se vende à unidade

 

 

 

As imagens foram retiradas do Destak de hoje, mas poderiam ser de qualquer outro jornal.

Recordamos a quem se esqueceu, que a electricidade não se vende à unidade nem ao Kilo, mas ao kW, e que portanto, o pimeiro título deve ser lido como segue: Para o consumidor médio, aquele que tenha um consumo de electricidade igual à média dos consumidores, a sua factura mensal terá um agravamento de 1,09 euros.

E claro que a luz não se vende.

publicado por Oscar Carvalho às 22:30
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007

Um título, três erros

Numa pequeníssima notícia, o Dinheiro Digital consegue cometer vários erros:

Inflação sobe 0,4% em Setembro
O Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou uma variação de 0,4% em Setembro face a Agosto, enquanto a variação homóloga se situou em 2,1%, anunciou esta segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

1. Há muitas medidas de inflação, mas a mais comummente utilizada (e é a ela que nos referirmos quando dizemos apenas "inflação") é a variação homóloga anual do nível de preços de um dado cabaz de compras, o chamado IPC. Ora a "inflação" referida no título não é esta, mas sim a variação mensal do IPC.

2. A inflação já é por si só uma subida, de modo que quando dizemos que a inflação subiu estaremos em princípio a dizer que a velocidade de subida teve um aumento. "A inflação subiu 100%" quer dizer que duplicou, ou seja passou de 5% a 10% por exemplo. Mas a notícia refere uma subida do IPC e não da inflação. Assim o título deveria ser "Preços sobem 0,4%" ou "inflação subiu para os 0,4%" (assumindo que a anterior foi menor, o que não verifiquei).

3. Mas se realmente quiséssemos falar da variação da inflação, deveríamos dizer que a "inflação subiu 0,4 pontos percentuais". "Subiu 0,4%" significaria que passou de 2% para 2,08% e não de 2,0% para 2,4%.
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 12:29
link | comentar | favorito
Domingo, 14 de Outubro de 2007

O Orçamento e a Conjuntura Internacional

Escrevem Nicolau Santos e João Silvestre no Expresso deste Sábado, em jeito de "apreciação global", segundo os próprios, que "(...) este orçamento fica claramente nas mãos da conjuntura externa e das empresas" (o itálico é meu). Ou seja, o que tem de novo este orçamento? Então, como está bom de ver, ao contrário dos orçamentos que já lá vão e dos que estão ainda para vir, este está nas mãos de todos menos do governo. Isto dizem eles.

Não pretendo contrariar afirmações de gente tão entendida em orçamentos e défices, mas pergunto eu: então e os outros, dependeram de quê? Bem, que eu saiba as receitas fiscais sempre dependeram do nível de actividade económica e, logo, das empresas. E há várias décadas que Portugal é uma pequena economia aberta, sujeita a choques externos, sejam eles bons ou maus. O que há de novo nisto? É isto o que têm para nos dizer os jornalistas do Expresso sobre o orçamento do próximo ano? Enfim, pobre "apreciação global".

Mais à frente: "Se a situação internacional piorar e houver uma quebra de confiança dos empresários, o resultado será certamente menos investimento e menos criação de emprego". Pois, e se melhorar o resultado será certamente mais investimento e mais criação de emprego. E se for assim-assim, o resultado será certamente investimento assim-assim e criação de emprego assim-assim. Chama-se a isto "incerteza". Para quem não saiba, é uma característica das economias globalizadas de hoje.

Principais Tags: ,
publicado por Pedro Bom às 20:08
link | comentar | favorito
Sábado, 13 de Outubro de 2007

Para que conste

 

Aqui comentaremos o sensacionalismo dos meios de comunicação que se dizem não sensacionalistas. 

Ignoraremos sempre os jornais e revistas que se renderam ao "tabloidismo" mais rasca

 

publicado por Oscar Carvalho às 14:47
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

O DN a começar o ano em p...

Os conhecimentos mais bás...

Que nome bué da louco, "h...

Para bom observador, meia...

O Luís Reis Ribeiro preju...

Um título, dois erros

Bomba Atómica: o Dinheiro...

O Público anda com a cabe...

Uma pequena história

Verificar fontes é para i...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds