Domingo, 21 de Dezembro de 2008

Um belo passeio à rua sem sair de casa

No Público de hoje, o inacreditável. Lemos num título, e pasmamos, que "já não precisamos de recorrer ao crédito para nos endividarmos". E eu pergunto: mas que tipo de endividamento é que não implica recurso a crédito? Não será "endividamento", por definição, recurso a crédito?

 

Por momentos ainda pensei que pudesse estar a ser utilizada uma definição de "crédito" muito restrita, englobando apenas crédito bancário, por exemplo, mas excluindo outros tipo de crédito, como, por exemplo, o de tipo dívida de mercearia (que não deixa de ser crédito). Mas não. Reparem só no primeiro parágrafo da notícia: "Não conseguem pagar as despesas domésticas, os seguros, a creche ou a escola dos filhos, o condomínio ou a renda da casa, a conta na farmácia ou no supermercado do bairro. Não têm dívidas de crédito à habitação, automóvel, pessoal ou de qualquer outro tipo. São a nova classe de sobreendividados".

 

Ou seja, na cabeça de Ana Rita Faria, estes indivíduos têm a incrível capacidade de se "sobreendividarem" sem terem "dividas de qualquer tipo". Isto de um gajo se endividar---aliás, sobreendividar---sem se endividar é uma daquelas injustiças que deviam ser proibidas por lei. Ou isso ou proibir os jornalistas de atropelarem desta forma os conceitos lógicos mais elementares.

Principais Tags: , ,
publicado por Pedro Bom às 22:48
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 15 de Novembro de 2008

Para a próxima perguntem-me a mim

Ao que parece, segundo o Público de hoje, o director-nacional da Polícia de Segurança Pública, diz que esta vai deixar "de revelar o número de participantes em manifestações" e o mesmo chegou "à conclusão de que não há nenhuma mais-valia nessa divulgação para a PSP, os manifestantes, os sindicatos ou os jornalistas porque há sempre discrepâncias”.

 

Pergunto ao Sr. director-nacional da PSP:

 

Refere-se (1) às discrepâncias entre as estimativas da PSP, dos sindicatos, jornais, e outros "adivinhos" ou (2) à margem de erro nas próprias estimativas da PSP?

 

Seja como for, nenhuma sustenta, do ponto vista lógico, a sua afirmação.

 

Se for por haver discrepâncias entre as estimativas da PSP e outras, então torna-se ainda mais importante saber as estimativas da PSP. Porque, em princípio (espera-se!), a PSP é precisamente a entidade melhor equipada e mais imparcial para dar uma estimativa mais correcta do número de manifestantes.

 

É melhor deixar essa estimativa à especulação dos sindicatos e dos jornais?

 

No caso de se referir a incerteza nas próprias estimativas da PSP, não se arrelie, que isso é normal em qualquer estimativa. Isso não justifica é não estimar de todo!

  

É que pior do que discrepâncias na informação, é ausência de informação.

 

 

publicado por Carlos Lourenço às 11:16
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

Um belo passeio à rua sem...

Para a próxima perguntem-...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds