Terça-feira, 8 de Janeiro de 2013

A carga fiscal portugesa é "bué da" grande

Era uma vez, dois alunos da preparatória chamados António Costa e Paula Cravina de Sousa que  falaram com um amigo, chamado KPMG, que deu uma olhada nos preços no supermercado. Viu a carne (bom, só o frango embalado e a carne picada) e os iogurtes (de sabor a banana, e também a morango), tanto no Pingo Doce como no Continente. O Continente tinha em geral os preços mais caros.

O António e a Paula escreveram então no pasquim da escola: "O Continente é o hipermercado mais caro de todos".

A stôra comentou então:

"Mas o vosso amigo só viu meia-dúzia de produtos, como sabem a média dos preços?"

Depois acrescentou:

"Ele só passou em duas lojas... e o Pingo Doce nem hipermercado é!"

 

Troque-se "caro" por "carga fiscal elevada", "hipermercados" por "países europeus",  e a carne e o iogurte por IRS e temos a notícia do dia saída no Diário Económico. Os jornalistas António Costa e a Paula Cravina de Sousa afirmam que "Portugal tem a carga truibutária mais elevada da Europa". Lá pelo meio ainda dizem que só se compara com os "cinco países mais ricos da Europa" (parece que a Espanha é um dos tais cinco, e nenhum dos escandinavos o é...), mas não há volta a dar ao sensacionalismo do título da notícia.

Para lá de chamar Europa a 5 países, compara-se apenas um imposto, o IRS. Parece que o IVAs, IRCs, ISPs e isso são trocos - e eu agradeceria que pagassem a minha parte. Comparam apenas meia dúzia de famílias-tipo, e não a média da população. Comparam ainda o incomparável, uma família com rendimentos de 50000 euros/ano é classe-média na Alemanha mas rica em Portugal , logo é lhe pedido uma contribuição maior.

Todos a imprensa copy-pastou feita carneirada, com a honrosa excepção do Público que foi capaz de escrever um título informativo e rigoroso: Impostos sobre rendimentos elevados em Portugal superam principais economias europeias.

 

E a Realidade? Por coincidência o Eurostat publica hoje um artigo sobre os últimos dados sobre cargas tributárias na Europa. A Dinamarca tem 48,6%, a média europeia é 40,8%, e nós temos 36,1%. Bolas.

 

 

Adenda: um leitor chamou a atenção para o facto de eu comparar números de 2011 com 2013 no último parágrafo. Estava bem claro no post, que eu falava de "últimos dados" e não de previsões. Mas olhemos para as previsões, da Comissão Europeia: Dinamarca 48,7%, média europeia 40,9%, Portugal 36,7%.

Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 00:31
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
Quinta-feira, 26 de Junho de 2008

Comparar extremos não faz sentido

Impostos: Portugal tem décimos IRC e IRS mais altos da UE, diz o DD.

 

A questão é que este ranking não é feito com os impostos médios cobrados. É feito sim com escalão mais alto dentro de cada imposto. Não sei como é o caso do IRC, mas no  IRS apenas uma pequena fracção de portugueses paga 42%. Não faz pois sentido pegar neste valor como representativo para a realidade nacional. É como dizer que os portugueses são mais altos que os suecos, porque o português mais alto  de todos é maior que sueco mais alto.

Se formos analisar o valor médio da taxa fiscal implícita, chegamos à conclusão que só há 4 países com IRS inferior a Portugal! Algo bem longe do que a notícia faz crer.

 

Aproveito o relatório do Eurostat para acabar com outro mito que aparece constantemente na nossa imprensa, na boca de muitos políticos e comentadores, o mito de que os impostos em Espanha são mais baixos do que em Portugal. Pois bem, a carga fiscal em percentagem do PIB - o modo correcto de aferir o peso fiscal - na economia é mais baixa em Portugal! (A diferença é miníma, mas contrária ao mito).

publicado por Miguel Carvalho às 17:31
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 1 de Dezembro de 2007

Fisco perde milhões com os combustíveis

Tem sido martelada insistentemente a notícia que o fisco fica a perder milhões devido à diferença de preços ao consumidor nos combustíveis em comparação com a Espanha. Apesar de o estudo vir de uma das partes interessadas, não o vou comentar, porque não o conheço. Agora não é sério dizer que o Fisco perde X com os impostos altos, porque o fisco também fica a ganhar Y com esses mesmos impostos graças aos abastecimentos que se mantêm em Portugal.
Claro que é um desperdício enorme, quero apenas dizer que não se pode tomar aquele número como absoluto quando se fala em perdas para o fisco. Ou por outras palavras aquele valor não seria "recuperado" se os impostos fossem baixados.

Nota: não estou a defender a situação actual, apenas a notar uma incongruência
Principais Tags: ,
publicado por Miguel Carvalho às 14:12
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007

Valor nominal ou real, per capita ou agregado, absoluto ou percentagem do PIB

Há um problema muito comum na discussão de números que é a enorme quantidade de maneiras em que eles podem ser apresentados. Mesmo quando falamos da mesma estatística, o título mostra que ela pode vir em sabores diferentes. O governo e a oposição são peritos em escolher a forma que mais lhes convém. Como exemplo, e dou este porque é particularmente irritante pela falta de honestidade intelectual, o PSD insiste (insistia ?) em falar da despesa pública em termos nominais e absolutos, quando só faz sentido falar nela em termos de % de PIB.
O disparate que me leva a escrever este post, já há muito tempo queria catar mas faltava-me uma fonte com o texto literal. Trata-se da afirmação do Governo e do PS que o aumento da parte das pensões que é colectável em sede de IRS sobe apenas 100€. Isto porque o imposto passa a ser contabilizado a partir dos 6000€/mês em vez dos 6100€. Diz Afonso Candal na Sábado de 31 de Outubro que "há 100€ que passam a ser sujeitos a tributação".
Ora há uma coisa chamada inflação, logo os 6100€ de 2007 não são 6100€ de 2008. Usando a inflação prevista pelo Governo (2,1%) temos uma alteração da base colectável de 6228€ para 6000€. Ou seja um aumento que é mais do dobro do que aquilo que o Governo defende.
publicado por Miguel Carvalho às 15:38
link do post | comentar | favorito

Autores

Pesquisa no blog

 

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts Recentes

A carga fiscal portugesa ...

Comparar extremos não faz...

Fisco perde milhões com o...

Valor nominal ou real, pe...

Arquivo

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Principais Tags

correio da manhã(13)

desemprego(15)

diário digital(24)

diário económico(9)

dn(82)

economia(65)

estatísticas(22)

expresso(26)

inflação(13)

lusa(15)

matemática(12)

percentagens(26)

público(102)

publico(9)

rigor(9)

rtp(20)

rudolfo(16)

salários(10)

sensacionalismo(135)

sic(11)

todas as tags

Contacto do Blogue

apentefino@sapo.pt

Outros Blogs

subscrever feeds